Agenda

Minas ao Luar chega a Ituiutaba

No sábado (14/7), Ituiutaba recebe o Minas ao Luar, um dos eventos de música mais tradicionais de Minas Gerais. Com o intuito de valorizar a música de raiz, o Sesc, integrado ao Sistema Fecomércio MG, Sesc e Senac realiza, com o apoio da TV Integração, Sindicomércio e a prefeitura de Ituiutaba, as apresentações de Os […]

Enviado por: Redação 10/07/2018

No sábado (14/7), Ituiutaba recebe o Minas ao Luar, um dos eventos de música mais tradicionais de Minas Gerais. Com o intuito de valorizar a música de raiz, o Sesc, integrado ao Sistema Fecomércio MG, Sesc e Senac realiza, com o apoio da TV Integração, Sindicomércio e a prefeitura de Ituiutaba, as apresentações de Os Incríveis (grupo que teve grande repercussão entre as décadas de 60 e 70) com Nilton Cesar e Orquestra Sesc de Viola, ambos da própria cidade. Nilton é expoente da Jovem Guarda e fez muito sucesso nas rádios e TV, nos anos 60 e 70. Os shows serão apresentados pelo animador cultural André Viola. Com entrada gratuita, o evento é às 20h, na Praça Cônego Ângelo.

Iniciativa do Sesc em Minas, o Minas ao Luar é uma das ações de maior incentivo à música nacional. Em uma nova fase, com variedade de ritmos e estilos, a iniciativa continua percorrendo todo o território estadual promovendo grandes encontros artísticos e fomentando a música brasileira.

SOBRE AS ATRAÇÕES

NILTON CÉSAR

Filho de fazendeiros, o cantor nasceu em Ituiutaba, em 1939 e, na adolescência, se empenhou nos estudos para ser contador e administrar os negócios da família. Mas, ao passar um período estudando no Rio de Janeiro e depois em São Paulo, mudou de ideia. Em 1960, Nilton César estava dando seus primeiros passos como calouro, apresentando-se em programas da TV-Rio, imitando o astro Orlando Dias. Em São Paulo, o futuro do cantor estava atrelado ao de outro grande ídolo na época, Moacir Franco, que fez o intermédio para o mineiro conhecer o acordeonista, Carlinhos Maffazzoli. Na época, Nilton César gravou dois discos de 78 rotações que repercutiram, despertando o interesse do diretor artístico da Continental Discos, que convidou o cantor fazer parte de sua equipe. O cantor gravou Choro Por Gostar de Alguém e conquistou o sucesso, partindo para o primeiro LP que levava o nome do artista. O disco agradou ao público e principalmente a gravadora que levou Nilton aos estúdios para gravar mais um LP, intitulado de Música e Amor. A música Casa Vazia caiu no gosto popular, fazendo o nome do cantor ser conhecido no Brasil.

Em 1969, as rádios tocavam frequentemente a canção Férias na Índia, que foi sucesso total, vendeu mais de 500 mil cópias, e deu a Nilton César discos de ouro e outros prêmios, projetando o cantor, de vez, como intérprete romântico. Era comum que ele participasse de programas de TV semanalmente cantando suas músicas. Em 1973, a música Amor… Amor… Amor…, do LP (RCA) fez muito sucesso entre os casais.

OS INCRÍVEIS

Os Incríveis é uma banda brasileira de rock e pop dos 60 e 70, na época formada em São Paulo por Domingos Orlando, o “Mingo”, Waldemar Mozema, o “Risonho”, Antônio Rosas Seixas, o “Manito”, Luiz Franco Thomaz, o “Netinho” e Demerval Teixeira Rodrigues, o “Neno”, que foi substituído em 1965 por Lívio Benvenuti Júnior, o “Nenê”. Inicialmente, a banda chamava-se The Clevers e, em seus shows, tocavam principalmente twist, estilo em moda no início da década de 1960. O sucesso veio durante o período da Jovem Guarda, quando o grupo alterou o nome após romper com o empresário Antonio Aguilar, que era o dono da marca The Clevers. Com a mudança de nome e canções populares como Era um Garoto Que, Como Eu, Amava os Beatles e os Rolling Stones, O Milionário e Eu Te Amo, Meu Brasil, sendo esta última uma canção de exaltação ufanista da pátria brasileira, muito utilizada durante o governo militar do general Médici.

Ao longo dos anos de 1970, ex-integrantes d’Os Incríveis formaram outras importantes bandas do rock brasileiro. Netinho montou a banda Casa das Máquinas e Manito, juntamente com Pedro Baldanza e Pedro Pereira da Silva, formaram o grupo progressivo Som Nosso de Cada Dia. Entre 2001 e 2005 o grupo voltou a se reunir em algumas ocasiões. Em 2014, a banda apresentou um grande show para gravar o DVD em comemoração dos 50 anos d’O Incríveis com uma homenagem aos ex-integrantes. Em 2015, foi lançado o DVD Netinho comemora 50 anos dos Incríveis.

ORQUESTRA SESC DE VIOLA

A Orquestra Sesc de Viola é formada por alunos do Curso de Arte Cultura/ Música do Sesc Uberlândia e surgiu em 2013 com a proposta de ser uma atividade de formação musical, que valoriza e fomenta a música caipira, forte manifestação cultural em Uberlândia. Participam jovens de 12 a 25 anos e, já é uma referência local no ensino de viola e vem se apresentando em eventos de grande relevância, como o Encontro de Violeiros do Sesc e Minas ao Luar. As apresentações musicais integram o processo pedagógico dos jovens da Orquestra Sesc de Viola.

ANDRÉ VIOLA

O locutor, apresentador e mestre de cerimonial começou sua carreira no rádio em 1983, quando trabalhou em emissoras de Uberlândia, Goiânia e Cuiabá. Em 2000, foi o locutor mais ouvido no Rádio FM de Uberlândia. É criador do Projeto Cultural Viola Viva 2007 e foi contemplado com o Prêmio Rozini de Excelência da Viola Caipira – 2010/2013. Desde 2007, apresenta o programa Domingo com a Viola e, desde 2008, o Encontro de Violeiros do Sesc, em Uberlândia.

Comentários...