Agenda

Musical: 1956 – O ano em que o Natal parou

Sexta-feira (11/12): 20h30 – Convite social de R$20 + 1kg de alimento*
Sábado (12/12): 19h30 – Convite social de R$20 + 1kg de alimento*
Domingo (13/12): 8h30, 10h (com tradução em libras), 11h30, 17h, 18h30 e 20h – GRATUITO
Local e ponto de vendas: Igreja Sal da Terra – Avenida Marcos de Freitas Costa, 553 – Bairro Daniel Fonseca I (34) 99763-4838
*Exceto sal

Enviado por: Redação 03/12/2020

(Imagem: Divulgação)

A Companhia de Teatro Vida Viva apresentará o musical “1956 – O ano em que o Natal parou” em Uberlândia, nos dias 11, 12 e 13 de dezembro. Nos dois primeiros dias o espetáculo será apresentado com a versão estendida. O valor do convite social será R$20 e um quilo de alimento*, que serão destinados para ações sociais do O Amor é Mais, projeto de apoio e acolhimento para famílias carentes da cidade. Já no domingo, o musical será apresentado gratuitamente na Igreja Sal da Terra, no Bairro Daniel Fonseca, em seis horários diferentes, um deles com tradução em libras. Lá você conhecerá a história da cidade de Alegra, que espera há quase 20 anos pela chegada do dia 25 de dezembro. A personagem Bianca, interpretada por Kamila Etel, conhecerá criaturas excêntricas e tentará reverter a situação embalada por muita música, dança e figurinos de época.

O espetáculo vai transportar o público para uma lanchonete nos anos 50 e 70, onde vão descobrir que o Natal parou no tempo e só quem pode mudar essa história é a jovem que vive cheia de traumas e medos que sempre a impediram de celebrar o dia 25 de dezembro. Para mudar a história, Bianca vai viajar através de um espelho, onde conhecerá o verdadeiro motivo do Natal, mas de uma perspectiva totalmente diferente e inusitada. “Bia não quer viver essa festividade do dia 25 por rancores e tristezas que guarda, o que interfere diretamente na relação familiar. Ela entra nesse mundo, conhece personagens lúdicos e mistura aquilo que é realidade com aquilo que é imaginação”, explica Lucas Ambrósio, roteirista e diretor do espetáculo.

Para criar a história, Lucas assumiu o desafio de fazer algo lúdico sem clichês. “Eu comecei a pensar de onde eu poderia tirar aquilo que seria o clímax da história. Porque essa menina está parada no Natal? Porque a cidade está parada nesse ano? Porque eles nunca chegam na festa de Natal? Não teve uma grande inspiração, teve um desejo de fazer algo que não fosse óbvio e que já estamos acostumados a ver e assistir em peças relacionadas a essa data”, contou.

O autor garante que o público vai se emocionar, rir e sair da apresentação com uma decisão sobre o Natal, pois é a história de Jesus. Olgálvaro Júnior, pastor e coordenador geral do musical, acredita que esse será um momento de reunir mais pessoas da comunidade para falar sobre o amor de Deus. “Como é um momento de festividade, mês do Natal, muitas pessoas que durante o ano não participam muito, acabam sendo despertadas por esse espírito natalino, que fala de fraternidade, amizades, reconciliação, bondade, caridade. A gente espera abençoar e revelar uma virtude eterna de forma bonita e elaborada”, disse. Apesar da expectativa ser de um grande público, Olgálvaro afirma que o auditório continuará recebendo apenas metade da capacidade normal, seguindo as normas de distanciamento social.

Para Elder Moura, responsável pela cenografia e figurino do musical, o processo criativo da lanchonete 1956 foi interessante, divertido e muito trabalhoso. “Fui para internet e pesquisei tudo sobre os anos 50, 70 e sobre lanchonetes, aí escolhi uma mistura de tudo que encontrei. O espetáculo é todo temático e o figurino vai mudar de acordo com a época”, confidenciou. A preparação durou quatro meses e a apresentação terá 70 minutos, contando com uma equipe de quase 100 pessoas, entre elas, atores, bailarinos, músicos, cantores, cenógrafos, figurinistas e mais uma equipe que atua na produção, som, iluminação e projeção.

(Imagem: Divulgação)

O Amor é Mais

Uma plataforma de ação social da Igreja Sal da Terra que visa promover sorrisos e esperança por onde passa. O projeto dá apoio na reforma de casas, moradia para quem estava na rua e em situações de risco, cestas básicas, atendimento médico, campanhas de agasalho, material escolar e várias outras ações, além das parcerias com outras ONGs e escolas que já somam mais de 35 instituições.

Protocolo de prevenção contra a Covid-19

Após seis meses de celebrações apenas on-line, a Igreja Sal da Terra retornou às atividades e segue as recomendações de prevenção ao coronavírus estabelecidas pelo Núcleo Estratégico do Comitê Municipal de Enfrentamento a Covid-19, por meio do Decreto Municipal. “A capacidade do auditório foi reduzida em 50%, incluímos pontos estratégicos de álcool-gel com identificação de uso, aumentamos o distanciamento entre as cadeiras, fizemos doação de máscaras e contratamos uma empresa de higienização especializada para higienizar todo o ambiente entre uma celebração e outra: cadeiras, microfones, palco, corrimões, portas e escadas”, explicou Carol Cardoso. Vale lembrar que, a recomendação é que pessoas do grupo de risco ou que estejam com sintomas da doença, permaneçam em casa.

Sobre o musical, Carol garante que os procedimentos serão mantidos para garantir a segurança de todos. Nos ensaios, os protocolos de segurança e higienização também estão sendo feitos. “Dividimos os ensaios por áreas e blocos com uma quantidade menor de pessoas, cada um tem seu microfone e o elenco usa máscara e EPIs”, esclareceu.

Comentários...