Colunistas

avatar
Anne Francis Costa

Refém das emoções? O corpo é que paga

Psicóloga Clínica – Terapia Cognitiva Comportamental
CRP nº 04/56392
Graduada em Psicologia pelo Centro Universitário do Triângulo (Unitri).
A terapia busca tratar problemas psicológicos, emocionais e comportamentais.
Ela pode trazer enormes benefícios para o paciente: segurança nas decisões,
aumento da autoestima, autoconhecimento, desenvolvimento pessoal,
tolerância à frustração, superação de conflitos internos, superação de traumas
e abusos, motivação, melhora os relacionamentos interpessoais.

Pessoas Controladoras

Enviado por: 24/08/2020

Você já deparou com pessoas que tem necessidade de controle e desejo de poder? O desejo de controle excessivo pode acarretar problemas com as demais pessoas como trazer prejuízos para a vida do indivíduo.

O controle é um ponto importante quando estamos falando sobre o comportamento humano. Isso porque, controlar significa interferir no livre-arbítrio que não lhe pertence.

O controle excessivo por parte de uma pessoa controladora é um dos grandes causadores de aflição nas relações pessoais, nos casais, nas famílias e nas amizades.

Pessoas controladoras são fáceis de ser identificadas. Elas necessitam de outras para agir, para que seu domínio sobre elas faça algum sentido. A pessoa controladora tende a ser emocionalmente mais agressiva do que as demais e ela deseja impor sua vontade acima de todos.

Segue alguns aspectos mais visíveis de uma pessoa controladora :
 A impulsividade nas pessoas controladoras costuma ser acentuadas, parece ser natural tomar decisões, sem se preocupar que isso provoque danos a outras pessoas.
 Podem surgir os comportamentos de fustigar e controlar os outros através de bullying psicológico.
 Outro aspecto é a autoridade. A pessoa controladora tem uma tendência autoritária no sentido de controlar tudo. Ela atropela sentimentos por seu temperamento tempestuoso e agressivo.
 Os gestos e estilos de vida de uma pessoa controladora dizem muito. A forma de falar com autoritarismo é tido como grosseiro, antipático e agressivo, pela entonação da sua voz, o semblante inflexível, gerando assim um clima de tensão no ar.

O controle potencializa o sofrimento para ambos, vítima e pessoa que gera a ação. A vítima deverá refletir sobre o que ocorre com ela ao se defrontar com situações desagradáveis e como ela pode lidar com isso.

Esse tipo de comportamento manipulador é a deficiência que a pessoa possui em não encontrar atenção para si, motivada pela baixa autoestima e insegurança. As pessoas controladoras costumam detectar os pontos fracos das vítimas. E pessoas controladoras também podem se tornar manipuladoras.

Vamos entender um pouco sobre as características de uma pessoa controladora:

Por exercer o controle, um controlador não respeita a privacidade, pois não há confiança. Esse comportamento cria um distanciamento, já que a desconfiança não possibilita uma entrega completa ao relacionamento – seja amoroso ou não.
 Muitas vezes a pessoa controladora deseja tomar decisões que não lhe competem e não pensa nas emoções do outro, extrapolando os limites impostos.
 A pessoa controladora quando percebe que algo sai do seu controle, se sente onipotente e não entende porque os outros não percebem que está sempre certo. Não existe certo ou errado e ninguém é perfeito ou sempre certo.
 O controlador acredita que precisa manter o controle de tudo para que a vida aconteça, é provável que vá acumular responsabilidades, tarefas e emoções, o que é muito cansativo e te sobrecarrega.

Não é fácil lidar com pessoas controladoras, então aqui vão 4 dicas que podem auxiliar :
1. Não tente mudar o comportamento do outro: se perceba antes de perceber o outro. Veja o que acontece para que essa pessoa tenha a capacidade de controlar você. Observe se são as ações que dão esse “gatilho” e não se permita entrar nesse jogo.
2. Converse sempre: o diálogo é o melhor remédio. Não deixe as emoções afloraram para expressar seus sentimentos de como ser controlado e manipulado não faz bem a você. Procure ser sincero e encontrar mudanças a favor do relacionamento de vocês.
3. Defenda seus direitos : não precisa gritar e brigar, mas é preciso defender seus direitos como indivíduo. Seja sincero, mas assertivo e explique o porquê ser controlado não é saudável.
4. Procure um psicólogo: o melhor caminho é procurar o aconselhamento de um profissional capacitado para que você possa ter ajuda e auxiliar seu parceiro, amigo, mãe ou irmão controlador.

Buscar ajuda e orientação psicológica é bastante apropriado neste momento. A psicoterapia é o procedimento mais indicado nesses casos. Se você conhece ou é uma pessoa controladora, está na hora de procurar ajuda de um psicólogo e entender mais a fundo sua necessidade emocional de aprovação.

Referências:
https://www.psicologosberrini.com.br/psicologia-e-psicologo/como-conviver-
com-uma-pessoa-controladora/
https://www.psicologoeterapia.com.br/psicologo-ajuda-emocional/pessoas-
controladoras/

Comentários...