Colunistas

avatar
Anne Francis Costa

Refém das emoções? O corpo é que paga

Psicóloga Clínica – Terapia Cognitiva Comportamental
CRP nº 04/56392
Graduada em Psicologia pelo Centro Universitário do Triângulo (Unitri).
A terapia busca tratar problemas psicológicos, emocionais e comportamentais.
Ela pode trazer enormes benefícios para o paciente: segurança nas decisões,
aumento da autoestima, autoconhecimento, desenvolvimento pessoal,
tolerância à frustração, superação de conflitos internos, superação de traumas
e abusos, motivação, melhora os relacionamentos interpessoais.

Timidez

Enviado por: 18/11/2020

A timidez é um instrumento necessário na sociedade onde vivemos em alguns casos isso não prejudica relacionamentos, mas em outros pode afetar o desenvolvimento afetivo, a socialização e o trabalho. A timidez pode agir como um instrumento regulador, ela pode evitar situações indesejadas.

Aquelas pessoas que não têm um pouco de timidez são tachadas de inadequadas, pois cometem atos que fogem ao padrão de convívio social. Um pouco de timidez é comum a todas as pessoas normais, mas deve-se ter muito cuidado com a timidez em excesso, quando ela impõe barreiras e limites que impeçam a conquista de objetivos.

A maioria das pessoas tímidas não reclama de suas aflições, das dificuldades e se fecha em seu mundo. A timidez é um mal que atua em silêncio. As pessoas não nascem tímidas, elas se tornam tímidas por um complexo de inferioridade que viveu.

A timidez tem sua origem em várias situações como: padrões adotados pela família, pais tímidos, situações em que houve humilhações, maus tratos de colegas, repressões, experiências traumáticas, principalmente na infância. A
timidez se manifesta em sintomas como: medo das pessoas, medo dos convites, medo de falar, enfim, todos os medos que tendem a reduzir o contato com as pessoas e que trazem o isolamento.

Como é mais fácil evitar o que causa a perturbação, os tímidos, ao relacionarem de forma consciente ou inconsciente seu trauma com a situação enfrentada, fecham-se numa “redoma de vidro” e tendem a fugir das situações que os deixarão expostos, pois o mais fácil é evitar o que pode causar o constrangimento.

Essas discriminações e humilhações, vivenciadas no dia-a-dia, podem, para certas pessoas, trazer prejuízos para suas vidas, além de ser um combustível para alimentar a timidez.

As regras, as obrigações e as proibições em excesso, de forma lenta e gradativa, podem acabar com a auto-estima e a auto-imagem, deixando as pessoas sufocadas, bitoladas e sem muitas perspectivas de mudança e com medo de mudar.

Mas como vencer estes obstáculos, como superar a timidez que limita, que impõe regras, enfim que traz tantos prejuízos? Pode-se vencer parte da batalha a partir em que se admite e reconheça que exista um problema como a timidez e se procura controlá-lo em vez de ser controlado por ele.

A partir do momento em que se reconhece que há um problema a ser vencido, este problema sai do anonimato, a pessoa começa a observá-lo com mais cuidado e verá os prejuízos causados por ele, passa a perceber que é tão normal como todas as pessoas e, como elas, possuem virtudes e defeitos.

Então ao saber de suas possibilidades dos seus pontos positivos e negativos, ao conhecer o seu “eu”, poderá fazer uso dos seus pontos positivos, para combater o ponto negativo chamado timidez.

Para vencer a timidez, as pessoas devem ser tolerantes consigo mesmas, convencendo-se que os outros não estão a observá-las e a julgá-las, e que não é o centro das atenções como pensam ser. O medo da rejeição é ocasionado por um processo de pensamento negativo que faz com que ele volte todas as atenções para si.

A sociedade precisa de um trabalho de conscientização e reconhecimento dos males causados pela timidez, pois, num mundo moderno, no qual é tão valorizada a capacidade de expressar-se e em que o emprego é motivo de uma
disputa constante, os que sofrem com a timidez sempre estarão em desvantagem.

Uma das opções para o tratamento da timidez é a psicoterapia. O psicólogo tem a função de acolher, escutar a queixa, identificar o que mais incomoda e quais as dificuldades de enfrentamento. A terapia proporciona caminhos, e ferramentas necessários para trabalhar para a desconstrução de pensamentos negativos. É um caminhar rumo às soluções possíveis, viáveis e desejáveis para o cliente.

Tomar a consciência da dificuldade que se apresenta, reconhecer a timidez, e os desafios que terá que enfrentar no processo, são de extrema importância no enfrentamento de situações difíceis e geradoras de ansiedade.

Sempre com acompanhamento e orientação de um psicólogo que é uma das melhores alternativas.

Referência bibliográfica :

https://www.redepsi.com.br/2010/07/27/a-timidez-sob-o-olhar-da-psicologia/

SANTOS, Cláudio M.; ZUSE, Adélia J. Timidez um mal que atua em silêncio –
A HARM WHICH ACTS IN SILENCE. Disciplinarum Scientia. Série: Ciências
Sociais e Humanas, Santa Maria, V.2, n.1, p.111-123, 2001.

Comentários...