Política

O Blindado ataca

Enviado por: Redação V9 15/04/2018

Este texto está circulando nas redes sociais

“A verdade sobre o patrimônio do IPREMU:

Caros amigos das redes sociais estarei relatando como foi a gestão dos recursos do IPREMU na gestão do prefeito Gilmar nos ano de 2013 a 2016 e peço a todos que possam ler até o final, pois será um texto longo, sendo possível vamos compartilhar ou você pode copiar e postar no seu face para ter mais alcance e esclarecer as pessoas.

Ao chegar na prefeitura em 2013 a gestão do prefeiro Gilmar Machado pegou o Ipremu com 380 milhões em patrimônio e naquele ano praticamente não foi feito aplicações novas, pois os recursos estavam na sua maioria já investidos pela gestão anterior do prefeito Odelmo e superintendente André Gulart, as aplicações estavam nos bancos Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil, Bradesco, Itaú e Safra. Essas aplicações foram feitas nos anos de 2009 a 2012 e ao aferir o resultado dessas aplicações no ano de 2013, tivemos um ano de déficit nas aplicações na ordem de 1,5 milhões, ou seja, as aplicações deram resultado positivo e negativo e o saldo final foi negativo em 1,5 milhões e naquele ano não batemos a meta autorial. Isso tem implicação na renovação do Certificado de Regularidade Previdenciário – CRP, sem o CRP o governo fica sem condições de governar, pois a gestão sofre várias sanções. Nesse cenário a gestão teve que mudar o perfil das aplicações e tirar os investimentos dos bancos acima citados e diversificar a carteira de investimentos, já que quase 80% estavam concentrados na Caixa Econômica Federal e não estavam rendendo os resultados esperados. Assim foi feito a diversificação dos investimentos em vários fundos e o resultado foi extremamente positivo, nos anos de 2014,2015 e 2016 tivemos respectivamente saldos positicos na ordem de 44milhões, 55 milhões e 77 milhões, no total 176 milhões em saldo positivo de investimento, cumprindo as metas autorais, somando as contribuições dos servidores no período tivemos o saldo total do património em 270 milhões, com os 380 milhões já existentes chegamos ao final de 2016 com 650 milhões de patrimônio. Assim fica demonstrado que a Administração do IPREMU na gestão do prefeito Gilmar Machado e Superitendente Marcos Botelho foi extremamente eficiente, positiva e praticamente dobrou o patrimônio do órgão. É importante esclarecer que mesmo com um saldo tão positivo nesse período também houve perdas com algumas aplicações , em especial o Fundo Naval, na qual a churrascaria Porcão tinha ações e a oposição usa para desgatar o prefeito Gilmar Machado, ou seja tivemos algumas perdas, porém o saldo é extremamente positivo.

Dessa forma fica claro que a intenção que sempre tiveram era desgastar a gestão do prefeito Gilmar Machado , e quero lembrar a todos que estávamos vivendo no período uma profunda crise econômica. Quanto as aplicações nos fundos, elas obedecem regras estabelecidas em resoluções do Tesouro Nacional, do Banco Central e da Comissão de Valores Imobiliários- CVM. O Banco Central por meio do Conselho Monetário Nacional regulamenta todo o processo de investimentos em fundos por parte dos Institutos de Previdencias, através da resolução 3922 de 25 Novembro de 2010.

Assim os institutos tem que obdecer todas as normas para os investimentos, não fazem os investimentos de qualquer forma, por exemplo; de acordo com o perfil do fundo o Instituto pode investir até um limite de porcentagem e os fundos para receber os investimentos tem que estar registrado junto ao Banco Central e a Comissão de Valores Imobiliários (CVM). O Superitendente e o Conselho de investimento não podem fazer aplicações sem obedecer as regras, e os fundos tem que ser certificados junto ao Banco Central e CVM, e todas as aplicações feitas pela gestão do prefeito Gilmar Machado e Superitendente Marcos obedeceram as regulamentações e resoluções do Banco Central e da CVM. Outra alegação mentirosa que estão fazendo é que as aplicações foram feitas em fundos pobres, ao aplicar os recursos são observados se os fundos são certificados e aptos, eles podem se tornar podres, pois se empresários e investidores criar fundos fictícios e enganar o Banco Central e a CVM para obter as certificações e depois buscar investimentos de institutos e ao final quebrar. Isso é que é fraude e os Superitendente e prefeito não tem como saber dessa realidade. O que cabe ao Superitendente e ao prefeito é obedecer as regras e regulamentações e verificar se os fundos são certificados para fazer as aplicações.

Outro argumento apresentado é que as aplicações que foram feitas eram de risco, quero esclarecer que todas e quaisquer aplicações feitas no mercado financeiro tem risco, pois é a natureza do meio financeiro, nenhum fundo, seja ele no Banco do Brasil ou Caixa econômica garante o resultado de rentabilidade da aplicação, pois depende da economia, da conjuntura econômica. Todos que investem querem ter lucro ao final de uma aplicação, mas nenhum fundo da garantia de lucro, por isso existe risco.

Em relação a mudanças dos conselheiros de investimentos do IPREMU, o que de fato ocorreu é que os conselheiros que estavam a frente do Conselho perderam a motivação para continuar fazendo esse papel e a gestão teve que mudar, pois uma conselheira que tinha nível superior de formação passou em um concurso na UFU e tomou posse e os outros conselheiros não quiseram mais continuar, com isso não fizeram o curso de capacitação para investimento no mercado financeiro. A partir de 2013 passa a ser exigido pela resolução 3922 do Banco do Central que os conselheiros tenham capacitação. Com isso a gestão do prefeito Gilmar teve que nomear novos membros para compor o Conselho e teve que ser cargos comissionados, já que os efetivos não queriam, pois agora tinham que ser certificados e os cursos de certificação eram fora de Uberlândia. A resolução 3922 passa a exigir a certificação de capacidade de investimento CPA 10 ou CPA 20 e com isso a SRA. Mônica o SR. Cláudio e o Superitendente Marcos fizeram os cursos e estavam aptos a cumprir o papel de conselheiros conforme a resolução do Banco Central exigia e a legislação não proíbe que sejam comissionados, exige sua qualificação. A legislação também afirma que os institutos tenham assessoramento por consultoria especializada no mercado financeiro para que sejam orientados na hora de investir, assim as consultorias apresentam onde podem ser investidos e quais são os fundos, e cabe aos conselheiros depois de analisar todas as hipótese investir,.

Lembrando que tem que obdecer os regras da resolução 3922, e os fundos tem que ser certificados pelo Banco do Brasil e CVM. Portanto, a administração dos recursos do IPREMU na gestão do Prefeito Gilmar Machado e do Superintendente Marcos foi feita dentro das legislações e resoluções do Banco do Brasil e CVM e ao final mesmo em momento de profunda crise foi extremamente positiva com um saldo de 270 milhões.

O que está ocorrendo em Uberlândia de fato é uma perseguição política ao ex-prefeito Gilmar e ao Superitendente Marcos, pois ao final do ano de 2016 tinha em torno de 340 milhões em caixa livre para investimento e era preciso investir já que a legislação exige que seja investido.O dinheiro não pode ficar parado, e assim foi investido em vários fundos como é recomendado pela resolução 3922 em um período de médio e longo prazo, a gestão atual do prefeito Odelmo ficou enfurecida, com o argumento que o prefeito Odelmo já tinha sido eleito e isto foi feito para engessar a nova gestão. Na verdade a gestão do prefeito Gilmar Machado tinha que investir pois é exigência da lei e as aplicações não obedece ao calendário eleitoral. Ao assumir em 2017 a nova gestão do prefeito Odelmo e o Superitendente André Gulart, de volta ao IPREMU, contratam uma auditoria para verificar as aplicações do Instituto e começaram a criar versões de mal uso do dinheiro público e aplicações em fundos podres. A empresa foi contratada sem licitação e por coincidência a empresas já tinham prestado serviços na gestão anterior deles e fez o trabalho em um período recorde de pouco mais de trinta dias com o feriado de Carnaval no meio, um verdadeiro absurdo.

Essa auditoria foi a base para a criação da CPI do IPREMU na Câmara Municipal e de todo aquele show midiático e de desgaste da gestão anterior. Outra questão importante é que no final do ano de 2016 o IPREMU foi auditado pela Previdência Federal e não foi constatado nenhuma irregularidade e a CRP foi renovada até Março de 2017, ou seja, depois de três meses a nova gestão contrata sem licitação uma empresa e vem a público dizer que houve má gestão do dinheiro do IPREMU.

A perseguição ao prefeito Gilmar é tão grande e seletiva que nos espanta, recentemente houve uma operação da GAECO em Udia que culminou com a prisão de altos servidores, diretores do DMAE por supostas irregularidades e desvio de recursos públicos em contrato do órgão com a empreiteira Araguaia Engenharia e não vi se quer o envolvimento do nome prefeiro Odelmo no caso, muito menos ele foi conduzido e o pior na época da celebração do contrato em 2010 ele era o prefeito.

Portanto, o que estão fazendo com o ex-prefeito Gilmar é muito abuso de poder e perseguição, querem acabar com sua imagem e inviabiliza-lo nas eleições de Outubro, pois o ex-prefeito hoje lidera as pesquisas de opinião para Deputado Federal. A perseguição sofrida por Gilmar demostra a seletividade que a justiça tem tradado quem é de esquerda. Prender o ex-prefeito e ex-servidores do IPREMU sem mesmo ter um inquérito instalado e muito abuso de autoridade, pois Gilmar Machado não é mais prefeito e o atual Superitendente do IPREMU foi indicado pelo Odelmo, assim não teria como interferir ou obstruir a justiça, são pessoas que sempre estiveram a disposição da justiça e tem endereço fixo, com isso acredito não ser necessário a condução e prisão temporária.

Pelas informações divulgadas pela imprensa a operação “Papel Fantasma” investiga fraude em fundos de pensão, onde empresários e investidores constituíam fundos sem lastro e certificava os mesmos no Banco Central e CVM para poder receber investimentos dos Institutos de previdencias e ao final como eram de fachada geravam prejuízos, porém os institutos ao aplicar seus recusos em fundos fazem observando o que determina a resolução 3922 do Banco Central e nestes casos se esses fundos tinham certificação e eram bem classificados pelas agências de avaliação do mercado, os institutos podem ter feito investimentos já que não tem condições de verificar se na verdade são fundos que foram criados de fachada, isso somente a Polícia Federal tem competência. Nesse sentido fica mais uma vez reforçado o carácter de perseguição política e seletividade no caso, ao que me parace somente em UDIA teve a prisão temporária de um ex-prefeito. Lamentável!”

Marinho Sebastião Rodrigues

Comentários...