Novas imagens revelam erros cometidos durante o salto que terminou com a morte do paraquedista do Exército

Redação V9

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Redação V9

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Legenda da foto

Soldado tinha 19 anos e morreu após ficar preso ao avião no momento do salto de treinamento

Novas imagens revelam erros cometidos durante o salto que terminou com a morte do paraquedista do Exército Pedro Lucas Chaves, de 19 anos, no dia 20 de junho de 2020.

O acidente aconteceu durante o treinamento da Brigada de Infantaria Paraquedista, na Base Aérea dos Afonsos em Marechal Hermes, Zona Oeste do Rio de Janeiro. O equipamento usado pelo militar no momento do salto ficou preso ao avião e, depois de alguns minutos, ele acabou caindo.

As imagens mostram que, durante a última verificação antes do salto, a chamada fita de ligação que auxilia a abertura do paraquedas se solta da cintura de paraquedista. O militar que está atrás dele na fila para o salto percebe o problema e tenta recolocá-la.

O Sargento que está orientando os paraquedistas também tenta arrumar, mas ela não fica presa na farda do soldado.

Em outras imagens, já com os soldados em posição para o salto, é possivel ver que a fita de ligação está solta e caída no chão.

Segundos depois, um soldado pisa sobre ela. Os militares começam a saltar do avião. No momento em que Pedro salta, o militar que estava atrás dele continua pisando na fita.

Logo em seguida, o jovem paraquedista aparece pendurado. Foram pelo menos 3 minutos até que ele se desprendesse e caísse do avião.

Em imagens feitas por cinegrafistas amadores, é possível ver que o paraquedas reserva chega a ser acionado, mas não abre.

Pedro ainda foi levado para o hospital, mas não resistiu.

O inquérito que investigou o acidente concluiu que a morte de Pedro foi uma fatalidade. Todos os militares foram inocentados, e o caso, arquivado.  A família do soldado teve o pedido de pensão negado e recebeu uma indenização de R$ 4,5 mil.

Em nota, o Exército informou que, à época, foi instaurado um Inquérito Policial Militar (IPM) para apurar todas as circunstâncias do acidente, que enviou para apreciação do Ministério Público Militar, que decidiu pelo arquivamento do processo. O Comando Militar do Leste e a Brigada de Infantaria Pára-quedista permanecem consternados pela perda e solidários à família do militar.

Veja reportagem do SBT Brasil:

LEIA TAMBÉM!