ASSINE O NOSSO BOLETIM DE NOTÍCIAS

RECEBA AS NOTÍCIAS MAIS IMPORTANTES DIRETO NO SEU E-MAIL
iconeenvelope.png

Homicídio – Jovem é amordaçado para ser internado em clínica à força e morre engasgado

Carolina Vilela

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Legenda da foto

Um rapaz de 28 morreu nesta segunda-feira, 8, depois de ser imobilizado por funcionários de uma clínica de recuperação para dependentes químicos, em Uberlândia. Segundo informações da Polícia Militar (PM), a equipe veio de Patrocínio para levar o rapaz, mas ação foi desastrosa e acabou virando mais um caso de homicídio.

A PM também informou que a mãe de Tiago Antonio Silva, de 28 anos, acionou a clínica da zona rural de Patrocínio para internar o filho à força. Tiago estava almoçando no momento em que foi contido pelos trabalhadores da clínica amarrado e amordaçado, pois teria reagido à condução.

Logo após sair da casa da mãe, no Bairro Brasil, a caminho da clínica, Tiago passou mal e precisou ser levado para a Unidade de Atendimento Integrado (UAI) do Bairro Tibery. Lá os médicos removeram da boca e traqueia do paciente pedaços de carne. Ele teria sido amordaçado com a boca cheia.

Ainda de acordo com a PM, a mãe contou aos policiais que achou a investida dos quatro funcionários da clínica agressiva, mas eles alegaram a ela que o procedimento era normal. Tiago sofreu uma parada cardiorrespiratória e morreu no local.

A Polícia Civil já está investigando o caso. O quatro funcionários foram conduzidos para esclarecimentos.

O diretor da Comunidade Terapêutica Novo Horizonte, que estava fora do estado, conversou com a nossa equipe por telefone e explicou a situação. Ele disse que o presidente da clínica está em Uberlândia para prestar todos os esclarecimentos, mas afirmou que: “Primeiramente o rapaz ainda não estava sob os cuidados totalmente da comunidade, estava sob a vigilância ainda dos pais. Tudo aconteceu dentro da residência da mãe, a qual insistiu e pediu para que a comunidade fosse até o local e o levasse. E agora é um momento muito delicado pra mãe, porque independente de qualquer coisa, é um filho que se foi”

Este foi o homicídio 48 em Uberlândia este ano.

Colaborou Léo Carvalho

LEIA TAMBÉM!