Esportes

Ministério Público do Paraguai desiste de denúncia contra Ronaldinho Gaúcho

Enviado por: Redação V9 08/08/2020

O Ministério Público do Paraguai decidiu que não vai apresentar nova denúncia contra o ex-jogador de futebol Ronaldinho Gaúcho e seu irmão, Roberto de Assis. Os 2 estão presos desde março de 2020, quando entraram no país com passaportes adulterados.

Foi reconhecido pelo Ministério Público que inexiste crime de natureza financeira ou correlato em relação ao Ronaldo e ao Roberto. Após 5 longos meses, restou demonstrado exatamente o que se defendeu desde início: a utilização de documentos públicos adulterados sem o conhecimento dos defendidos“, disse Sérgio Queiroz, advogado de Ronaldinho e Assis.

Na decisão, os promotores ressaltaram que tanto Ronaldinho quanto o irmão sabiam que os passaportes usados para entrar no país eram falsos. Dizem, porém, que não encontraram indícios de que o ex-jogador “tenha participado do planejamento da obtenção dos documentos irregulares“. Ressaltam ainda que isso “de maneira alguma o exime da responsabilidade de ter domínio e decisão do uso de instrumentos que são de aspecto pessoal“.

O Ministério Público sugere que os 2 sejam autorizados a voltar ao Brasil, com algumas condições.

Ronaldinho Gaúcho:

  • Liberdade condicional de 1 ano;
  • Multa de R$ 487 mil;
  • Declaração de residência fixa no Brasil onde possa ser encontrado
  • Comparecimento a cada 3 meses ante uma autoridade judicial no Brasil.

Roberto de Assis:

  • Liberdade condicional de 2 anos;
  • Multa de R$ 596 mil;
  • Declaração de residência fixa no Brasil onde possa ser encontrado
  • Comparecimento a cada 3 meses ante uma autoridade judicial no Brasil.

As medidas pedidas pelo MP do Paraguai ainda precisam ser ratificadas pelo juiz Gustavo Amarilla.

ENTENDA O CASO

Ronaldinho Gaúcho e o irmão chegaram ao Paraguai no dia 4 de março de 2020. O passaporte de Ronaldinho dizia que ele era paraguaio naturalizado. O ex-jogador foi ao país para apresentar 1 evento beneficente e lançar seu livro, “Gênio da Vida”. A irregularidade foi detectada logo no aeroporto, mas devido à comoção dos fãs, as autoridades optaram por deter o ex-jogador e seu irmão no hotel.

Os 2 passaram boa parte do dia seguinte (5.mar) prestando esclarecimentos ao Ministério Público paraguaio. Outras 3 pessoas foram presas em decorrência das investigações: o brasileiro Wilmondes Sousa Lira, acusado de fornecer os passaportes, e duas mulheres supostamente conectadas com o caso. No dia 6 de março, Ronaldinho e Assis foram ao tribunal para julgamento do chamado “critério de oportunidade”, 1 dispositivo legal que livraria ambos de qualquer processo em troca de cooperação com as investigações –o que foi negado pelo juiz Mirko Valinotti. No mesmo dia, a Procuradoria pediu a prisão dos irmãos.

A Justiça do Paraguai autorizou prisão domiciliar para Ronaldinho e o irmão em 7 de abril.

Comentários...