Brasil: mulher finge estar com câncer para arrecadar R$ 50 mil em doações

Redação V9

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Redação V9

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Legenda da foto

Inúmeras pessoas se mobilizaram, mas a farsa começou a ser descoberta no início do mês

A polícia do Rio de Janeiro investiga uma mulher que fingiu estar com câncer para arrecadar R$ 50 mil em doações e vaquinhas virtuais. Segundo os investigadores, com cabeça raspada e aparência frágil, Else Kishner Iglesias, de 30 anos, enganou muita gente.

Nas redes sociais, ela dizia ter lúpus, câncer terminal e duas operações de aneurisma. Várias pessoas que participavam de uma feira na quadra de uma escola de samba, por exemplo, acreditaram na história. De acordo com a professora Denise Monte Mor, “ela chegou lá querendo trabalhar, dizendo que era artesã. Contou toda a história da doença dela de doenças”.

Inúmeras pessoas se mobilizaram, mas a farsa começou a ser descoberta no início do mês, quando Else chegou à feira com ótima aparência, depois de supostamente passar 18 dias em coma. Nesse período era o marido dela que entrava em contato para pedir doações. O casal chegou até a apresentar falsos atestados médicos.

A polícia já comprovou que as assinaturas e carimbos dos profissionais foram adulterados e que Else foi aposentada pela prefeitura do Rio de Janeiro por problemas psiquiátricos. Segundo as investigações, ela nunca esteve internada ou em coma, e usou o dinheiro para se hospedar com o marido em um hotel, no centro da capital fluminense.

Nas palavras do delegado Reginaldo Guilherme, “pessoas de boa fé fizeram a vaquinha virtual… depositaram várias quantias para ela, para esse casal”. “Agora imagine uma pessoa que realmente precise, quem é que vai acreditar?”, completou. A mulher e o marido prestaram depoimento e foram liberados.

Em um áudio enviado ao grupo de expositores, ela desmente as acusações: “eu não dei golpe, não, eu acordei do coma mesmo, eu estive internada. Nem meu marido deu”.Por telefone, o SBT Brasil tentou contato para falar com Else, mas não conseguiu. O casal deve ser indiciado por estelionato e também pode responder por falsificação de documentos. Para Renata Marques, organizadora da feira na escola de samba, “é monstruoso o que ela fez”.

SBT News

LEIA TAMBÉM!