Polícia Civil resgata 27 dependentes químicos em situação de maus-tratos

Redação V9

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Redação V9

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Legenda da foto

A Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG) resgatou, nessa sexta-feira (16/7), vinte e sete dependentes químicos que estavam em situação de maus-tratos em uma clínica de reabilitação localizada na zona rural de Mateus Leme, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH).

De acordo com informações da delegada responsável, Lígia Barbieri Mantovani, a clínica apresentava estrutura precária, falta de higiene e estavam com diversos móveis quebrados e com cordas e faixas amarradas em alguns dos internados. “Os dependentes químicos conversaram com a equipe e relataram agressões físicas, maus-tratos, privação de alimentação e de cuidados médicos, além de cerceamento de liberdade”, adiantou a delegada.

Os 27 dependentes químicos foram conduzidos à delegacia de Polícia, onde prestaram declarações e detalharam os fatos. “Os pacientes contaram que eram amarrados pelos pés e mãos nas camas e passavam às noites nessa condição, tendo que fazer as necessidades fisiológicas na roupa. Noticiaram, também, que eram seguidamente medicados com remédios para dormir durante dias a fim de evitar fugas. Um dos pacientes contou que foi arremessado várias vezes da cama e que, em razão disso, estava escarrando sangue há 30 dias, sem atendimento médico”, completou Montovani.

A delegada detalhou, ainda, que os pacientes foram encontrados em situação de grande vulnerabilidade, sendo necessário um ônibus escolar para retirá-los do local diante da urgência e gravidade da situação.

Os dependentes químicos, após a oitiva, foram entregues às famílias, Assistência Social e Conselho Tutelar do município.

O administrador da clínica e um trabalhador do local, apontados como suspeitos, também foram ouvidos na unidade policial. Um inquérito policial foi instaurado a fim de apurar a prática, em tese, dos crimes de cárcere privado, maus-tratos, lesão corporal e ameaça. As investigações continuam a fim de identificar os demais trabalhadores do local suspeitos de envolvimento nos crimes.

Polícia Civil MG

LEIA TAMBÉM!