Vídeo: funcionário do supermercado Assaí humilha um homem negro e o obriga a se despir para provar não ter roubado

Redação V9

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Redação V9

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Legenda da foto

O funcionário envolvido em crime de racismo foi desligado do supermercado Assaí Atacadista, em Limeira (SP) nesta 2ª feira (9.ago). A demissão veio após a equipe de trabalho do local ter acusado de furto um homem negro, de 56 anos. Para comprovar que não havia cometido nenhum crime, o cliente foi obrigado pelos funcionários a tirar suas roupas para uma revista. A situação ocorreu na última 6ª feira (6.ago).

Clientes do supermercado filmaram a ação dos seguranças e funcionários, afirmando chamar a polícia para detê-los. No Boletim de Ocorrência registrado posteriormente, por constrangimento ilegal, consta que dois seguranças abordaram o homem quando ele estava saindo do supermercado. 

A vítima disse que entrou no supermercado para conferir o preço de alguns produtos e que depois voltaria mais tarde. Em entrevista concedida à Rádio Educadora Limeira, a vítima afirmou que tirou a calça para provar que não tinha roubado nada. “Pediram para ir pro canto. Mas pro canto eu não vou não, aqui dá para todos verem. Se eu peguei eu tenho que pagar. Eu vou tirar a calça para vocês verem que não tem nada”, disse. Nas gravações dos clientes do supermercado, o homem chora e lamenta a situação. 

A rede Assaí atacadista se posicionou sobre o ocorrido e disse, em nota, que abriu um processo interno de apuração após o caso, além de ter realizado contato com o cliente para ouvi-lo sobre o ocorrido. “Enquanto este processo é feito, os envolvidos na abordagem foram afastados dos seus postos de trabalho.

A companhia não adota nem orienta qualquer forma de abordagem constrangedora a clientes e tomará todas as providências necessárias tão logo a investigação for encerrada. A Cia fica à disposição das autoridades para esclarecimentos”, ressalta a nota.

Imagens do canal Brasil de Fato no YouTube

LEIA TAMBÉM!