Atlético-MG só empata com o Avaí e goleiro cobra mais eficiência do ataque

Redação V9

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Redação V9

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Legenda da foto

O Atlético foi a Florianópolis enfrentar o Avaí, na Ressacada, pela 24ª rodada do Campeonato Brasileiro em busca de uma vitória. Porém, volta para Belo Horizonte com um novo 1 a 1 na bagagem – mesmo placar do jogo contra o Palmeiras, no último final de semana. A equipe alvinegra até teve maior posse de bola durante a partida, mas encontrou dificuldades para concluir as jogadas.

Frustrado após novo empate, o goleiro Victor cobrou mais eficiência do ataque atleticano.

“Temos que ser mais eficiente na hora que as oportunidades aparecem. Tivemos umas três oportunidades de contra-atacar, de colocar o companheiro pronto para finalizar. Acabamos pecando um pouco, talvez por ansiedade. Fizemos uma excelente partida. Conseguimos nos impor diante do adversário, tocar bem a bola, triangular, mas talvez faltou um pouco mais de precisão na hora do último passe, de finalizar as jogadas,” avaliou o jogador.

O jogo

Nos cinco primeiros minutos da partida, o Avaí surpreendeu: deixou de lado o rótulo de ‘time reativo’ e partiu para cima dos visitantes. A melhor oportunidade do início do jogo, entretanto, foi do Atlético. Aos 7’, Valdívia, da intermediária, cobrou falta na cabeça de Fred. O atacante finalizou com perigo, mas a bola passou rente à trave direita defendida por Douglas.
Minutos depois, Victor errou a saída de bola e deu chance ao Avaí. Livre, Willians teve a oportunidade de bater para o gol, mas foi travado. Na continuação da jogada, o Atlético reagiu com um ataque de três jogadores contra um. Luan, entretanto, passou mal para Cazares. Na sobra, Valdívia finalizou por cima. Foi o último “ato” do meia na partida. Ele sentiu a queda após disputa de bola aos 12’ e deixou o campo para a entrada de Clayton.
A partir daí, a estratégia do Atlético ficou mais evidente. Com passes rápidos e quase sempre “de primeira”, o time tentava furar o bloqueio rival. A dificuldade, no entanto, persistia. Fred, Luan e Clayton arriscaram de fora da área. O Avaí, por sua vez, chegava nos contra-ataques, mas não conseguia finalizar. Aos 34’, Willians foi lançado, invadiu a área e tentou tocar para Pedro Castro. Último marcador, Luan conseguiu a interceptação.
O Avaí voltou a levar perigo. Depois de falta cobrada na barreira, Capa tentou o drible e caiu após dividida com Marcos Rocha. Jogadores do clube catarinense pediram pênalti, mas o árbitro mandou seguir. Os 62% de posse de bola do Atlético não deu resultado. Aos 45’, gol dos donos da casa. Júnior Dutra recebeu lançamento e ajeitou para Leandro Silva. O lateral chutou mal, e a bola caiu nos pés de Simião, que, de dentro da área, finalizou no canto esquerdo de Victor: 1 a 0.
No segundo tempo, o Atlético continuou com mais posse de bola, mas tinha dificuldades de incomodar Douglas. Seguindo a tônica do jogo, os jogadores do Avaí se posicionavam atrás da linha da bola e levavam perigo nos contragolpes.
Micale substituiu Cazares por Robinho para tentar melhorar o setor de criação. Minutos depois, entretanto, foi a vez do zagueiro Leonardo Silva arriscar um chute de longe – para muito longe. Elias carregou a bola desde a intermediária defensiva e invadiu a área para receber o passe. O volante atleticano caiu após dividida ombro a ombro com Leandro Silva e pediu pênalti – não assinalado pelo árbitro.
A partir daí, o Atlético demorou a voltar a incomodar Douglas. Aos 31’, Fred ajeitou para Marcos Rocha. O lateral bateu firme, mas foi parado pelo goleiro do Avaí. Claudinei Oliveira resolveu fechar ainda mais o time e colocou o zagueiro Airton no lugar do volante Judson.
Aos 37’, o time alvinegro finalmente venceu o bloqueio rival. Marcos Rocha recebeu em ultrapassagem e cruzou para Otero, que acabara de entrar no lugar de Luan. O venezuelano testou firme para empatar: 1 a 1. Minutos depois, Elias parou contra-ataque de Capa, recebeu o segundo amarelo e, consequentemente, o vermelho. A partir daí, poucas chances de gol e resultado mantido.
Superesportes

LEIA TAMBÉM!