Cruzeiro só empata com Vitória no Mineirão e se distancia do G-6

Redação V9

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Redação V9

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Legenda da foto

Faltou competência ao setor ofensivo do Cruzeiro na noite deste domingo, no Mineirão. O time de Mano Menezes teve pelo menos três chances claras de marcar (uma com Sassá e duas com Thiago Neves), mas desperdiçou todas elas. Ineficiente, a Raposa só empatou com o Vitória (0 a 0), em jogo da 17ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Com o resultado, o Cruzeiro foi a 23 pontos, distanciando-se do G-6. O Sport, primeiro clube na zona de classificação para a pré-Libertadores, tem 27 pontos. E o momento celeste não é bom na Série A. Já são quatro jogos sem vitórias: empates com Flamengo, Fluminense e Vitória e derrota para o Avaí.

Na próxima rodada, a Raposa enfrenta o Vasco, na quinta-feira, às 20h, no estádio Raulino de Oliveira, em Volta Redonda. Um dia antes, o Vitória recebe a Ponte Preta, no Barradão.

Duas perdas no time e placar em branco

O Cruzeiro entrou em campo com uma novidade na escalação. O técnico Mano Menezes promoveu a volta do zagueiro Manoel ao time. Ele não jogava desde a partida de volta da quarta fase da Copa do Brasil, contra o São Paulo, no dia 19 de abril. Com isso, Murilo perdeu a titularidade.

Manoel, contudo, ficou pouco tempo em campo. O defensor foi substituído aos 39 minutos do primeiro tempo por causa de dores no pé esquerdo, justamente o local recuperado de contusão. Ele ficou com uma bolsa de gelo no pé quando deixou o jogo.

Mas, quando esteve em campo, o defensor pouco trabalhou. O Vitória jogou fechado e especulava nos contra-ataques. O time baiano teve uma grande oportunidade de marcar. No fim do primeiro tempo, o atacante colombiano Santiago Tréllez recebeu dentro da área, mas Fábio saiu bem do gol e fez a defesa.

De resto, o Cruzeiro não correu tantos riscos, mas também criou pouco no primeiro tempo. Foram duas boas oportunidades. O time celeste poderia ter tirado o zero do placar com Sobis. Aos 18 minutos, ele recebeu livre dentro da área, mas finalizou mal. Sobis enfrenta uma longa seca de gols. A última vez que ele balançou as redes foi na partida contra o Coritiba, pela 10ª rodada do Campeonato Brasileiro, no dia 25 de junho. Apesar do jejum, ele é um dos homens de confiança de Mano Menezes e não tem a vaga ameaçada.

A outra jogada de perigo do Cruzeiro, bela por sinal, foi coletiva. Depois de troca de passes no meio-campo, o lateral Diogo Barbosa recebeu livre na esquerda e mandou na cabeça de Thiago Neves, que cabeceou para boa defesa de Fernando Miguel. Antes do fim do primeiro tempo, Mano foi obrigado a fazer outra alteração: Elber, depois de um choque com um defensor do Vitória, deixou o campo para o lugar de Rafinha.

Empate com sabor amargo

Mais presente no campo de ataque, o Cruzeiro conseguiu ter mais ação ofensiva na etapa complementar. Mas faltou competência para marcar. Foram três grandes oportunidades. Aos 18 minutos, Rafinha fez um corta-luz, e a bola sobrou limpa para Sassá, na cara do goleiro Fernando Miguel. O atacante isolou a bola.

Aos 26, outro momento de ouro para o Cruzeiro. Diogo Barbosa cruzou rasteiro na pequena área, o zagueiro Kanu furou e Thiago Neves finalizou sozinho, próximo à marca da pequena área. Fernando Miguel fez defesa à queima-roupa.

Thiago Neves ainda desperdiçou outro ataque. Aos 38, ele recebeu lançamento de Rafinha e, mesmo livre e com tempo para tomar a decisão, chutou em cima do goleiro do Vitória. Foi a oportunidade derradeira da Raposa.

O Vitória, por sua vez, continuou explorando os erros do Cruzeiro. O clube baiano reclamou um pênalti não marcado em um lance em que Ariel Cabral bloqueia a bola com o braço. O árbitro mandou seguir.

No fim, o jogo acabou com sabor amargo para o Cruzeiro.

Superesportes

LEIA TAMBÉM!