ASSINE O NOSSO BOLETIM DE NOTÍCIAS

RECEBA AS NOTÍCIAS MAIS IMPORTANTES DIRETO NO SEU E-MAIL
iconeenvelope.png

Dentil/Praia Clube é derrotado e vai a São Paulo para partida decisiva

Redação V9

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Legenda da foto
Próximo jogo traçará destino do time praiano na competição nacional (Imagem: Praia Clube)

A equipe Dentil/Praia Clube recebeu, na noite desta terça-feira, 4 de abril, o time do Vôlei Nestlé (SP), pelo Jogo 2 da semifinal da Superliga Feminina de Vôlei 2016/2017. Após um embate disputado, que durou 1h30min, o grupo comandado pelo técnico Ricardo Picinin infelizmente foi derrotado pelo time da Grande São Paulo, por 3 sets a 0, parciais de 19/25, 22/25 e 22/25. Com a derrota, a série melhor de cinco dos Playoffs fica em 2 a 0 para as paulistas, forçando o Esquadrão Aurinegro a ganhar o próximo jogo se quiser continuar na temporada.

A capitã Walewska falou sobre derrota e o momento da equipe. “Temos rodado muito as jogadoras durante a partida, o que dificulta um pouco, pois ter uma base que joga o tempo todo seria mais fácil. Não temos jogado tão bem e estamos realizando diversos ajustes nos jogos, mas acredito que a série é longa (semifinais) e temos que focar nisso. É melhor de cinco jogos. Não há tempo de chorar ou sorrir com as vitórias e derrotas, então é juntar forças e pensar no próximo duelo que será difícil”, comentou.

A central discorreu, ainda, sobre o desfalque da colega de equipe Fabiana Claudino. “Perder uma jogadora importante é sempre complicado em uma fase de decisão. Vínhamos atuando juntas, então dificulta um pouco. Claro que queríamos estar com o grupo completo, mas a Natasha tem feito o papel dela e tem jogado bem”, completou.

O técnico Ricardo Picinin comentou sobre a partida e a atuação das praianas. “No segundo set, tivemos um final equilibrado. Tiramos uma grande diferença e chegamos a ficar dois pontos atrás, mas alguns erros infantis e que não podem ser cometidos em uma semifinal de Superliga aconteceram. Na terceira parcial, a mesma coisa. Jogamos à frente, mas ao final duas ou três bolas fizeram a diferença. Essas situações em um jogo entre duas equipes parelhas são determinantes. Disse às jogadoras ao final da partida que não tem nada perdido. A melhor de cinco dá essa possibilidade de o time reverter a situação. Com a qualidade do nosso elenco e das nossas atletas é possível! Já evoluímos desde o último jogo e em algumas situações temos que ser mais assertivos, mas vamos trabalhar para isso. Agora é tudo ou nada, então vamos dar o sangue dentro de quadra!”, afirmou.

Na próxima sexta-feira, 7 de abril, às 19h, o time praiano volta à quadra, no ginásio José Liberatti, em Osasco (SP), para o Jogo 3 da série semifinal.

Praia Clube

LEIA TAMBÉM!