Em jogo emocionante, São Paulo vira sobre o Botafogo e sai da zona de rebaixamento

Redação V9

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Redação V9

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Legenda da foto
Fonte: Luciano Belford/AGIF/Gazeta Press

O São Paulo venceu aquele que lá na frente poderá ser lembrado como o marco para a retomada da equipe no Campeonato Brasileiro. Na tarde desse sábado, o Tricolor do Morumbi visitou o Botafogo no estádio Nilton Santos e, depois de sair na frente, levou a virada, desperdiçou um pênalti, viu os donos da casa abrirem ainda mais vantagem e, quando tudo parecia perdido, chegou à vitória com a segunda virada do confronto, graças a três gols de estreantes após os 38 minutos do segundo tempo. No fim, 4 a 3 e muita festa tricolor com o primeiro triunfo longe de seus domínios na competição.

Hernanes fez uma reestreia discreta, mas marcou o gol do 3 a 3 já aos 40 do segundo tempo. Marcos Guilherme, no entanto, foi o nome do jogo. Em sua primeira atuação pelo clube, o meia entrou no segundo tempo e anotou dois gols, inclusive o da vitória, aos 46. Cueva poderia terminar a partida como vilão pelo pênalti desperdiçado em um momento crucial, porém, abriu o placar e foi responsável pela assistência do gol derradeiro.

Os três pontos tiram o São Paulo da zona de rebaixamento, pelo menos de forma provisória. Agora com 19 pontos, o time de Dorival Júnior ocupa momentaneamente a 15ª colocação e precisa secar Avaí, Atlético-PR e Coritiba para não retornar ao Z4 ao fim da 17ª rodada. Já o Glorioso, que viu sua série de sete jogos invicto ser interrompida, perdeu a chance de entrar no G6, estacionou nos 24 pontos e, até o fim da rodada, pode cair de sua 7ª colocação.

Dono da braçadeira de capitão, Hernanes logo acabou com as dúvidas sobre seu posicionamento em campo. Mais centralizado, o camisa 15 deu liberdade para Cueva flutuar e abrir pelas pontas. Apesar do ganho em criatividade no meio-campo, o São Paulo não conseguiu se impor para cima do Botafogo nos primeiros minutos. Mesmo assim, o confronto em terras cariocas começou apenas morno.

Mas, quando os donos da casa acenavam com uma pressão no ataque, um lance inusitado mudou o panorama da partida. Cueva infiltrou na área em jogada individual. João Paulo tomou a frente do peruano e quis fazer a proteção para Gatito pegar a bola. Os dois botafoguenses, no entanto, bateram cabeça e o camisa 10 do São Paulo ficou com o gol vazio. Aí foi só correr para o abraço.

Os cerca de 2 mil torcedores são-paulinos faziam a festa atrás do gol quando o jogo foi reiniciado e, em menos de um minuto, o Botafogo chegou ao empate. Pimpão dominou na esquerda e rolou para Marcos Vinicius, que bateu por baixo e viu a bola tocar na trave antes de entrar.

Não bastasse o balde de água fria para a equipe de Dorival Júnior, aos 25, o mesmo Marcos Vinicius, que ainda não havia marcado nesse Brasileirão, arriscou de longe. Dessa vez Renan se destacou por uma falha clamorosa. O goleiro tricolor calculou mal o quique da bola no gramado e o Glorioso chegou à virada.

Hernanes, até então sumido no jogo, ainda teve uma grande oportunidade ao receber cruzamento na área. Apesar da liberdade, o estreante furou o movimento. E foi só na primeira etapa.

Com a necessidade de correr atrás do resultado, o São Paulo, mesmo sem mudanças, iniciou a etapa final encurralando o Botafogo, mas sem conseguir criar uma chance clara de gol. Por isso, Dorival resolveu arriscar. Promoveu a estreia de Marcos Guilherme e também apostou em Wellington Nem. Petros e Marcinho foram sacados.

Logo na sequência das alterações, Nem recebeu lançamento e caiu na área após disputa com Carli. Apesar de não ter sido tocado, o são-paulino conseguiu a penalidade a seu favor. Era a grande chance do São Paulo, mas Cueva bateu fraco, rasteiro. Gatito acertou o canto e manteve o Botafogo em vantagem.

E quem não faz, toma. O castigo tricolor veio na sequência. Apenas um minuto depois de ter desperdiçado o pênalti, o São Paulo não conseguiu frear Luis Ricardo pela ponta esquerda de defesa. O lateral cruzou para trás e Guilherme, que também havia entrado há pouco, pegou de primeira e estufou as redes, levando assim o Nilton Santos ao delírio.

Apesar da frustração, o São Paulo ainda foi à luta. Aos 38, Jucilei desviou a bola de cabeça após cobrança de escanteio e Marcos Guilherme escorou para o gol logo em seu primeiro jogo com a camisa do tricolor.

E o improvável aconteceu apenas dois minutos depois. Pressão do São Paulo, bola alçada na área, Hernanes toca de cabeça, Cueva erra a finalização e a bola se oferece ao Profeta novamente. Na primeira, a defesa barrou, na segunda tentativa, de pé esquerdo, Hernanes não perdoou e cravou o empate no placar.

E a reação não parou por aí. Aos 46 minutos, Cueva percebeu a movimentação de Marcos Guilherme e fez um lindo lançamento. O meia ficou cara a cara com Gatito e bateu firme, no canto. Gol, virada e muita festa dos são-paulinos no Nilton Santos. Veio o apito afinal e, enfim, o Tricolor Paulista pôde comemorar sua primeira vitória fora de casa no Campeonato Brasileiro.

Embalado, o São Paulo tem tudo para encarar o Coritiba na próxima quinta com o Morumbi lotado, a partir das 19h30. De novo em casa, o Botafogo terá o Palmeiras pela frente um dia antes, às 21h45.

BOTAFOGO 3 X 4 SÃO PAULO

Local: Estádio Nilton Santos, no Rio de Janeiro (RJ)

Data: 29 de julho de 2017, sábado

Horário: 16 horas (de Brasília)

Árbitro: André Luiz de Freitas Castro (GO)

Assistentes: Bruno Raphael Pires e Leone Carvalho Rocha (ambos de GO)

Público: 17.139 torcedores

Renda: R$ 528.120,00

Cartão amarelo: SÃO PAULO: Petros

GOLS:

BOTAFOGO: Marcos Vinícius, aos 18 e aos 25 minutos do 1T. Guilherme, aos 23 minutos do 2T.

SÃO PAULO: Cueva, aos 17 minutos do 1T. Marcos Guilherme, aos 38 e aos 46, e Hernanes, aos 40 minutos do 2T.

BOTAFOGO: Gatito Fernandez, Luís Ricardo, Joel Carli, Igor Rabello e Victor Luís (Victor Lindenberg); Rodrigo Lindoso, Matheus Fernandes, Marcos Vinícius (Guilherme) e João Paulo; Rodrigo Pimpão e Roger (Brenner)

Técnico: Jair Ventura

SÃO PAULO: Renan Ribeiro; Bruno, Arboleda, Rodrigo Caio e Edimar; Jucilei e Petros (Marcos Guilherme); Marcinho (Wellington Nem), Hernanes e Cueva; Lucas Pratto (Gilberto)

Técnico: Dorival Júnior

Superesportes

LEIA TAMBÉM!