Grêmio arrasa o Barcelona em Guayaquil e fica perto da final da Libertadores

Redação V9

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Redação V9

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Legenda da foto
Fernandinho comemora com Luan, o nome do jogo em Guayaquil: dois gols e atuação decisiva Fonte: AFP/ Rodrigo Buendia

O Grêmio foi preciso para sair de Guayaquil com uma enorme vantagem nas semifinais da Libertadores. Em noite iluminada de Luan, Edílson e Marcelo Grohe, a equipe brasileira aproveitou as oportunidades que teve e os erros do Barcelona-EQU para fazer 3 a 0 nesta quarta-feira, mesmo atuando na casa do adversário, e colocar um pé na grande decisão do torneio continental.

Luan e Edílson tiraram proveito dos erros da zaga e do goleiro Banguera para abrir vantagem confortável no primeiro tempo. Quando o Barcelona-EQU pressionava no início da etapa final, Marcelo Grohe protagonizou uma defesa inacreditável no chute do ex-colorado Ariel Nahuelpán. Logo na sequência, Luan, de novo, apareceu na área para marcar o terceiro e acabar com qualquer possibilidade de reação do adversário.

O resultado deixou o Grêmio muito perto de disputar sua quinta decisão de Libertadores. Campeão em 1983 e 1995, e vice em 1984 e 2007, o time gaúcho pode perder por até dois gols de diferença diante de sua torcida na Arena, quarta-feira que vem, que estará na final contra River Plante ou Lanús – o River venceu a ida, em casa, por 1 a 0.

O jogo

Havia a apreensão para esta quarta sobre a condição física de Luan, que ficou um longo período afastado e só voltou a atuar nas duas últimas partidas do Brasileirão, nas quais demonstrou clara falta de ritmo. Mas logo no primeiro minutos, o melhor jogador do Grêmio aproveitou sobra na entrada para exigir boa defesa de Banguera e mostrar que estava muito bem.

O Barcelona respondeu e assustou em falha de Pedro Geromel, aos cinco minutos, que Vera jogou para fora. Mas em um jogo tão truncado, aproveitar-se dos erros adversários era necessário, e o Grêmio foi muito superior neste quesito. Aos sete, Cortez recebeu pela esquerda, passou pela marcação e cruzou rasteiro, sem força. Oyola errou ao tentar dominar e a bola sobrou no meio da área para Luan, que chegou batendo firme. Um desvio no meio do caminho ainda matou o goleiro.

A vantagem abalou o Barcelona e o Grêmio continuou fazendo sua parte: fechando bem os espaços, tocando a bola e, mais do que isso, aproveitando-se das falhas dos equatorianos. Aos 20 minutos, Banguera pareceu não confiar muito no perigo que Edílson poderia levar em falta de longe e armou muito mal a barreira. O lateral aproveitou para bater de trivela, por fora dela, matando o goleiro equatoriano, que nem se mexeu.

Com o segundo gol, o Grêmio recuou demais e viu o Barcelona ocupar o campo de ataque. Mas o time equatoriano insistia nas jogadas pelo alto, rebatidas por Geromel e Kannemann. Somente aos 35, Esterilla conseguiu finalizar após cruzamento da esquerda, mas isolou.

Atropelo

As entradas de Marcos Caicedo e Ayoví no intervalo, porém, mudaram totalmente o Barcelona, que no segundo tempo voltou a ser a equipe veloz que eliminou Santos e Palmeiras. Logo com 30 segundos, Caicedo passou como quis por Jaílson e cruzou. A bola chegou em Damián Díaz, que dominou de costas para o gol e tentou de calcanhar, jogando em cima de Grohe.

Aos dois minutos, o goleiro gremista precisou fazer um “milagre”. Ayoví levou vantagem sobre Cortez, foi à linha de fundo e cruzou para Díaz, que não pegou em cheio de cabeça. A bola sobrou para Ariel, que finalizou da pequena área, com força. Grohe voou, esticou o braço e realizou uma defesa inacreditável.

Se o Barcelona desperdiçava as oportunidades, a precisão do Grêmio fez novamente a diferença aos cinco minutos. Na primeira ida da equipe ao ataque no segundo tempo, Edílson tabelou com Luan pela direita, passou pela marcação e levantou a cabeça para encontrar no meio da área o mesmo Luan, que finalizou de primeira, sem chances para Banguera.

O Barcelona tentou responder rapidamente e perdeu outra grande chance aos 14, com Damián Díaz, mas a cada minuto, o time equatoriano esmorecia mais. Foi então que apareceram as oportunidades para o Grêmio golear. Luan, aos 33, jogou por cima o grande momento que teve dentro da área. Aos 43, o estreante Cícero recebeu de Ramiro e finalizou rente ao travessão.

BARCELONA-EQU 0 X 3 GRÊMIO

BARCELONA-EQU

Banguera; Velasco, Luis Caicedo, Arreaga e Beder Caicedo; Minda, Matias Oyola, Esterilla (José Ayoví), Damían Díaz e Washington Vera (Marcos Caicedo); Ariel Nahuelpán (Erick Castillo)

Técnico: Guillermo Almada

GRÊMIO

Marcelo Grohe; Edílson (Léo Moura), Pedro Geromel, Kannemann e Cortez; Jaílson (Michel), Arthur, Ramiro, Luan e Fernandinho; Lucas Barrios (Cícero)

Técnico: Renato Gaúcho

Local: Estádio Monumental Isidro Romero Carbo, em Guayaquil, no Equador

Data: quarta-feira, 25 de outubro

Árbitro: Néstor Pitana (Fifa/Argentina)

Cartões amarelos: Beder Caicedo (Barcelona-EQU); Lucas Barrios (Grêmio)

GOLS: Luan, aos 7, e Edílson, aos 20min do 1ºT; Luan, aos 5min do 2ºT

LEIA TAMBÉM!