Inglaterra é letal e elimina Seleção Brasileira na semifinal do Mundial Sub-17

Redação V9

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Redação V9

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Legenda da foto
Inglês Brewster (C) foi o grande nome do jogo, marcando os três gols do time europeu Fonte: AFP

Não foi desta vez que o Brasil vai disputar o título do Mundial Sub-17. Na manhã desta quarta-feira, o time comandado por Carlos Amadeu não conseguiu para o ataque letal da Inglaterra e acabou sendo derrotado por 3 a 1. O nome do jogo acabou sendo o atacante inglês Rhian Brewster, que marcou os três gols da sua seleção e assumiu a artilharia isolada do campeonato, com sete gols.

Apesar do resultado, o Brasil fez um bom jogo. Mesmo melhor na partida, acabou sofrendo o primeiro gol logo no início. A reação foi rápida e Wesley empatou aos 20 minutos, depois de grande jogada com Paulinho. O segundo gol inglês saiu ainda no primeiro tempo e a segunda etapa acabou sendo de muita luta, mas pouco futebol. Ainda deu tempo para Brewster marcar seu hat-trick e dar números finais ao duelo.

Apesar da eliminação, o Brasil terá mais uma partida. Os jovens ainda enfrentam o perdedor do jogo entre Mali e Espanha, na disputa pelo terceiro lugar.

O JOGO

O começo do jogo foi de amplo domínio do Brasil. Enquanto trocava passes e tentava a infiltração na defesa, o time inglês se postava de forma bem compacta e dificultava as finalizações no último terço do campo. A primeira chance perigosa veio com Foden, um dos principais jogadores da Inglaterra, mas o chute passou por cima do gol. A primeira vez que o Brasil conseguiu finalizar ao gol foi aos sete minutos, com Marcos Antônio. O meio-campista chutou de muito longe e criou dificuldades para Anderson, que sofreu com algumas defesas e chutes que deixou escapar no primeiro momento.

Mesmo melhor, veio o banho de água fria na seleção Brasileira. Aos nove minutos, Hudson-Odoi fez ótima jogada pela linha de fundo e cruzou para Brewster. O camisa nove completou para o gol e Brazão fez uma grande defesa. No rebote, o atacante completou para o gol livre e abriu o placar.

O gol não foi sentido pelo Brasil, que seguiu incessantemente na busca pelo empate. Assim como no início, a Inglaterra dava espaço para o toque de bola e as triangulações, mas apenas na primeira parte do campo. No último setor, as coisas se fechavam e quase sempre a bola era afastada pela zaga inglesa, que não fazia questão de ter a posse.

Aos 20 minutos veio o empate. Wesley e Paulinho, jogadores de Flamengo e Vasco, fizeram uma grande troca de passes e o meia do Cruz-Maltino deixou o lateral na cara do gol. Na primeira chance o goleiro fez a defesa, mas no rebote a rede balançou e o Brasil igualou o marcador.

A partir da segunda metade do primeiro tempo, ficou ainda mais evidente os espaços que o Brasil dava para a seleção inglesa pelos lados do campo. Por esse setor saiu o segundo gol da Inglaterra. Foden recebeu pelo lado esquerdo da defesa brasileira e tocou para Sessegnon, que cruzou rasteiro e Brewster, novamente, marcou o gol.

Na segunda etapa, a Inglaterra começou tentando pressionar o Brasil, que começou a ter mais espaços para jogar. A primeira chance aconteceu com Marcos Antonio, aos quatro minutos, bateu de longe e ganhou o escanteio. Aos poucos o time foi se soltando e chegou em três oportunidades consecutivas, mas sem precisão no chute para empatar o jogo.

A aposta inglesa passou a ser os contra-ataques. A cada erro de passe brasileiro, Foden e Brewster já saiam em velocidade para receber o lançamento. A jogada, entretanto, foi bem neutralizada pela defesa brasileira.

Quem acabou não sendo neutralizado foi o atacante Brewster. Aos 31 minutos, o atacante fez o terceiro gol dele e deu números finais ao duelo. Foden abriu para Howe, que cruzou e foi necessário apenas o complemento do artilheiro do campeonato.

O time brasileiro sentiu o terceiro gol e o cansaço começou a ficar evidente. O time pouco chegou ao ataque e, quando avançou, não deu grande trabalho ao goleiro Anderson. No final, venceu o time mais letal e mais consistente defensivamente. Com a derrota, o Brasil segue para a disputa do terceiro lugar contra o perdedor do confronto entre Mali e Espanha.

Superesportes

LEIA TAMBÉM!