ASSINE O NOSSO BOLETIM DE NOTÍCIAS

RECEBA AS NOTÍCIAS MAIS IMPORTANTES DIRETO NO SEU E-MAIL
iconeenvelope.png

Projeto social de Jiu Jitsu e BMX “Saúde e Equilíbrio” corre o risco de acabar por falta de patrocínio

Carolina Vilela

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Legenda da foto
Fernando Rabello, professor de Jiu Jitsu

Um projeto social que inclui crianças e adolescentes no esporte corre o risco de acabar por falta de patrocínio. Os idealizadores do Projeto Equilíbrio e Saúde, o professor Fernando Rabello e o coordenador Clóvinson Gonçalves, o Clovin, dão aulas de jiu jitsu e BMX, ciclismo acrobático, na Avenida Cesário Crosara, Bairro Presidente Roosevelt.

O professor e também atleta, campeão brasileiro de Jiu Jitsu em 2011, tem como credencial as conquistas nos principais campeonatos da modalidade. Mas a luta que o mestre quer ganhar agora é fora dos tatames. Há um ano ele treina crianças e adolescentes na arte marcial por meio do projeto saúde e equilíbrio.

Fernando Rabello já revelou alguns talentos na turma de crianças e adolescentes. Mas a meta principal não são as competições oficiais. O projeto, aprovado pelo Ministério dos Esportes tem como prioridade os benefícios da atividade física para a formação da cidadania e a qualidade de vida da moçada.

Só que o contrato com o patrocinador venceu. E o trabalho corre o risco de se perder. Fernando fala do amor que adquiriu pelos alunos e sobre como sentirá falta deles, caso o projeto não siga adiante. “Já é praticamente da família. Se uma hora acabar vai ficar apertado de perder a galerinha aí. Estão todos de parabéns.”

Junto com o Jiu Jitsu o projeto incetiva também o BMX – ciclismo acrobático, que tem no comando um Campeão Brasileiro. Clóvinson Gonçalves, o Clovin, é autor do Projeto Saúde e Equilíbrio com BMX e Jiu Jitsu. Para ele, perder a chance de manter as atividades é mais que um risco para os atletas em potencial que já foram revelados nos dois esportes: é perder um incentivo a mais para tirar crianças e adolescentes das situações de riscos sociais.

“É impagável ver s crianças desenvolvendo e aprendendo princípios, valores humanos. A gente ensina sete dicas: perseverança, paciência, respeito, coragem, humildade, renúncia (deixar de lado o que é ruim) e a liberdade, que é não ficar preso no computador, na televisão, no videogame, porque hoje menino só quer ficar na internet e precisa praticar esportes pra gente ter um Brasil mais saudável.”

Questionado sobre como os cidadãos podem ajudar a manutenção do projeto, Clovin dá dica de algo diferente do patrocínio comum. “Você, pessoa física, que tem imposto retido na fonte, pode investir pra que a gente continue oferecendo para essas crianças e adolescentes o Jiu Jitsu, o BMX e até amplie as modalidades esportivas que ajudam na contribuição e na formação do cidadão.”

 

LEIA TAMBÉM!