Agentes do Centro de Controle de Zoonoses percorrem bairros de Uberlândia para combater a leishmaniose

Augusto Ikeda

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Augusto Ikeda

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Legenda da foto

Agentes do Centro de Controle de Zoonoses de Uberlândia estão percorrendo diversos bairros da cidade para combater a leishmaniose, doença que pode ser transmitida de animais domésticos, como cães e gatos, para os seres humanos. O município não registra nenhum caso da enfermidade há oito anos na zona urbana e há seis na zona rural.

Para conseguir fazer o controle, os agentes precisam passar de casa em casa, e mediante autorização do morador, fazem o exame em cães para detectar a doença.

“Em áreas onde você não tem o vetor instalado, você solicita que seja feito o exame do animal. Caso a pessoa recuse, a gente passa pra outra casa. Naqueles locais que já tem o vetor, (os moradores) são obrigados a deixar testar ou testar em um laboratório privado e apresentar (o resultado) para nós”, explicou Márcia Beatriz de Paula, coordenadora do laboratório de entomologia do Centro.

Ainda de acordo com Márcia, esse controle é importante por que a leishmaniose pode ser fatal se não for tratada adequadamente. “É uma doença que pode levar 90% das pessoas não tratadas a óbito”, explicou.

Segundo informações repassadas pelo Centro de Controle de Zoonoses, o índice da doença em animais do município é de apenas 0,8%, o que significa que menos de um é infectado a cada 100, além de estar bem abaixo da marca preocupante, que é de 2%.

Consciência é importante

A dona de casa Taciana Guimarães, moradora do Bairro Jardim Célia, possui cinco cachorros em sua residência, que foram devidamente examinados pelos agentes do Centro. E ressaltou a importância do ato. “É bem importante. Se tiver alguma doença, já vão ver se tem”, disse.

O exame também é importante para poder garantir a sobrevivência do animal. A razão é que caso ela seja diagnosticado com a leishmaniose, ele pode ter de ser sacrificado, caso outros exames realmente comprovem que ele está infectado.

“Com os dois exames reagentes, a gente solicita que ou o morador entregue o animal para eutanásia, segundo legislação federal, ou que ele efetue o tratamento do animal”, explicou Márcia.

Informações no local: Vinícius Lemos

LEIA TAMBÉM!