ASSINE O NOSSO BOLETIM DE NOTÍCIAS

RECEBA AS NOTÍCIAS MAIS IMPORTANTES DIRETO NO SEU E-MAIL
iconeenvelope.png

Ano de 2017 registra seca acima do normal em Uberlândia, segundo dados da UFU

Redação V9

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Legenda da foto

Até o momento, o ano de 2017 está mais seco do que o normal, de acordo com dados da Universidade Federal de Uberlândia (UFU). A cidade já registrou algumas chuvas nos últimos dias, mas ainda não foi o suficiente para mudar esse cenário.

A última chuva considerada significativa ocorreu no dia 1º de outubro, quando choveu um total de 27 milímetros. Outra precipitação deste porte só deve ocorrer no mês de novembro.

“Até o final do mês, não vai haver chuva significativa. Embora a gente esteja no início da estação chuvosa na região, existe a previsão de algumas chuvas isoladas, mas nada significativo”, explicou Camila Carpenedo, climatologista da UFU.

Ainda de acordo com a especialista, um efeito dessa falta de chuvas é o aumento das temperaturas. Por exemplo, o último dia 15 de outubro registrou máxima de 36 graus, considerado o dia mais quente do ano na cidade.

Aumento do consumo de água

O Departamento Municipal de Água e Esgoto (DMAE) registrou um aumento no consumo de água em Uberlândia, mesmo após fazer um pedido de economia à população da cidade.

“Se comparar a produção do mês de setembro com os anos de 2014, 2015 e 2016, esse ano nós produzimos muito mais do os anos anteriores”, disse  Rejane Nunes Cerqueira, supervisora de produção e reservação de água do DMAE.

A autarquia garante que a possibilidade de racionamento continua descartada, mas já revelou que os reservatórios, em alguns momentos, ficam baixos. Como forma de manter o abastecimento e evitar o desperdício de água, desligou os sistemas hidráulicos e está utilizando apenas motores elétricos.

Rejane reforça o novamente o pedido para que a população economize água. “Nesse momento, a gente pede pra população economizar nos horários de pico, que ta todo mundo em casa, que o consumo é mais alto, que economize pra não faltar e ter água pra todos”, disse.

Informações no local: Camila Rabelo

LEIA TAMBÉM!