Consumidora é indenizada porque teve alergia causada por desodorante

Redação V9

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Redação V9

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Legenda da foto

A Unilever Brasil S.A. foi condenada a pagar indenização de R$ 5 mil, por danos morais, a uma senhora que teve lesões alérgicas causadas pelo uso do desodorante Rexona Women Cotton 24h, de fabricação da empresa. A decisão é do juiz Paulo Rogério de Souza Abrantes, titular da 16ª Vara Cível de Belo Horizonte.

A consumidora afirmou que, após utilizar o cosmético, começou a sentir um forte ardor em sua pele, que apresentou vermelhidão e posteriormente ficou escura. Ela contou que suspendeu o uso do produto e foi necessário procurar um médico. Um dermatologista constatou que as axilas sofreram queimaduras decorrentes do uso do desodorante e receitou remédios. Nessa ocasião a consumidora conseguiu que a Unilever custeasse os gastos. Na ação ela pediu reparação pelos danos morais e estéticos.

Após dois meses, em retorno ao médico para avaliação, foi constatado que os medicamentos não surtiram o efeito desejado, razão pela qual ela se submeteu a novo tratamento. Em sua defesa, a Unilever afirmou que o desodorante foi testado e considerado seguro para a inserção no mercado de consumo. Afirmou também que possui processo interno criterioso e severo de análise de qualidade de seus produtos e que o dano sofrido pela consumidora ocorreu em “razão de fatores de predisposições inerentes ao seu organismo, vez que a fórmula do produto é altamente segura”.

O magistrado afirmou ser inconteste a reação alérgica sofrida pela consumidora ao utilizar o produto fabricado e comercializado pela Unilever. Ele destacou que a própria empresa reconheceu o acontecido desde que contatada pela autora, tendo inclusive assumido os gastos iniciais de tratamento. Em relação ao dano estético, o juiz registrou que tanto o laudo pericial como documentos juntados ao processo demonstram que a reação alérgica não deixou sequelas irreversíveis, tais como cicatriz, mancha etc.

“A autora sofreu lesões em suas axilas, além de suportar a queimação da pele e necessidade de submissão a tratamento médico. Houve, pois, sofrimento físico de sua parte, em razão do uso do produto, que lhe causou forte reação alérgica”, disse o juiz Paulo Rogério de Souza Abrantes ao justificar a concessão da indenização. Ele destacou ainda o fato de a situação ter causado dor física ou sofrimento para a consumidora, “tendo afetado sua saúde, sua comodidade, seu cotidiano”.

De acordo com Instituto Nacional de Câncer (Inca), é possível que alguns anti-transpirantes possam irritar a pele e que não é raro o desenvolvimento de uma infecção chamada hidradenite supurativa, que se inicia na glândula sudorípara na axila ou região inguinal. Esta infecção pode levar à bacteremia (bactérias na corrente sanguínea) e choque se não tratado adequadamente. A depilação com lâmina pode agravar uma infecção axilar.

Nossa equipe entrou em contato com a assessoria de imprensa da Unilever, que preferiu não comentar o processo em andamento.

Tribunal de Justiça de Minas Gerais

LEIA TAMBÉM!