Festa Literária Internacional de Paraty começa hoje e muda rotina da cidade

Redação V9

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Redação V9

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Legenda da foto
Fonte: Tomaz Silva/Agência Brasil

A cidade de Paraty, no estado do Rio de Janeiro, sedia, a partir de hoje (26), a 15ª edição da Festa Literária Internacional de Paraty (Flip). A abertura será às 19h15, no Auditório da Matriz, com a mesa literária Lima Barreto: Triste Visionário.

Com direção de cena de Felipe Hirsch, o ator e escritor Lázaro Ramos e a historiadora e antropóloga Lilia Schwarcz debaterão a vida e a obra do escritor carioca Afonso Henriques de Lima Barreto, homenageado deste ano pela Flip.

O show de abertura, às 21h30, no Auditório da Praça,  estará a cargo do pianista André Mehmari, que vai executar a Suíte Policarpo, criada para o evento, inspirada no mundo de Policarpo Quaresma, personagem de Lima Barreto.

Na avaliação da secretária de Cultura de Paraty, Cristina Maseda, a Flip é “extremamente importante. São 15 anos que a cidade tem a festa literária. Nota-se um impacto impressionante na vida cultural, no reconhecimento de Paraty como um destino de cultura, como uma cidade onde a cultura tem um lugar preponderante diante dos outros setores”, disse.

Segundo a secretária, a área cultural dos paratienses cresceu muito com a Flip, tornando o município conhecido. Cristina lembrou que, além da Flip, Paraty é sede do Paraty em Foco, festival de fotografia; do Mimo, festival de música; do Encontro de Ceramistas, sem falar na Festa do Divino, que é patrimônio cultural do Brasil. “Colocam Paraty em uma posição de destaque entre as cidades com até 50 mil habitantes do Brasil”, argumenta.

O grande legado da Flip, da Flipinha, que é voltada para o público infanto-juvenil, e da Flipzona, que incentiva a leitura e a produção cultural por meio de novas mídias, é o forte impacto no índice de leitura da população, afirmou Cristina.

Todas as escolas municipais contam hoje com acervos de literatura infantil e juvenil de alta qualidade. “As crianças leem mais, há hora de leitura nas escolas, a literatura hoje na cidade tem um destaque importante”. Antes da Flip, a secretária informou que “não havia sequer um livro infantil na cidade. Daí a Flip ter uma importância enorme”, contou.

Programação

Na quinta-feira (27), a programação da Flip começa às 10h, com a mesa literária Zé Kleber, no auditório da Praça, Território da Flipinha, com o tema Aldeia. Participarão o diretor do Memorial dos Povos Indígenas, em Brasília, Álvaro Tukano, símbolo da resistência indígena no Amazonas nas últimas quatro décadas; a ativista Ivanildes Kerexu Pereira da Silva, uma das lideranças da Aldeia Guarani Mbya Itaxi; e a quilombola Laura Maria dos Santos.

O programa oficial ocorrerá no Auditório da Matriz, a partir das 12h, com a mesa Arqueologia de um Autor, da qual participam os escritores Beatriz Resende, Edimilson de Almeida Pereira e Felipe Botelho Corrêa. Depois, haverá às 15h a mesa Pontos de Fuga, com Carol Rodrigues; a escritora de Luanda, África, Djaimilia Pereira de Almeida, além de Natalia Borges Polesso.

A mesa será precedida pela série de intervenções poéticas e performáticas intitulada Fruto Estranho, a cargo da poeta paranaense Josely Vianna Baptista (em vídeo).

Às 17h15, a mesa Fuks&Fux reunirá os autores Jacques Fux e Julián Fuks, do Brasil. Às 19h15, após a série Fruto Estranho, com apresentação da atriz Grace Passô, haverá a mesa Odi et Amo, com o tradutor e escritor português Frederico Lourenço e o poeta brasileiro Guilherme Gontijo Flores. Encerrando a programação do dia 27, será realizada às 21h30 a mesa Em Nome da Mãe, da qual participarão as escritoras Noemi Jaffe, do Brasil, e Scholastique Mukasong, natural de Ruanda, África.

Na sexta-feira (28), o ator e escritor Lázaro Ramos e a autora portuguesa Joana Gorjão Henriques debaterão a questão racial às 10h, no Auditório da Praça, dentro do Território Flip/Flipinha. No Auditório da Matriz, acontece a programação oficial, a partir das 12h, com a mesa Moderno Antes dos Modernistas.

Participarão Antonio Arnoni Prado, pioneiro no estudo de Lima Barreto, e a escritora e jornalista Luciana Hidalgo. Às 15h, será a vez da mesa literária Subúrbio, com Beatriz Resende e Luiz Antonio Simas, após a apresentação da poeta Prisca Agustoni, suíça de nascimento, mas moradora no Brasil. A Festa Literária Internacional de Paraty será encerrada no domingo, dia 30.

Flipinha/Flipzona

Haverá eventos também voltados para o público infantil, como encontros com os autores, na Praça da Matriz na Central, na chamada Flipinha.  As árvores da praça, como ocorreu em anos anteriores, serão transformadas em pés de livros. Nelas, ocorrerão atividades de leitura, conduzidas por adolescentes de Paraty que passaram pelo programa de Formação de Mediadores de Leitura. O local será ainda ponto de partida de vários cortejos literários.

Na Flipzona, que é um espaço para diálogos, serão exibidos filmes e documentários seguidos de debates, mesas literárias e rodas de conversa.

O programa Flipinha/Flipzona prevê no dia 26 duas sessões de cinema na Casa da Cultura, com os filmes Kiriku, os Homens e as Mulheres, a animação francesa, Jonas e o Circo sem Lona, documentário do Brasil, além de roda de conversa sobre Leitura: um Direito Humano.

No dia seguinte (27), estão programados sessões de cinema a partir das 10h, na Casa de Cultura, com os documentários brasileiros Waapa, Meninos e Reis, Disque Quilombola, Curtas do Território do Brincar. Às 11h30, haverá o primeiro Cortejo Literário, com Julián Fuks, na Central Flipinha. Às 13h, tem roda de conversa Pacto pela Leitura, na Casa da Cultura, e novo Corte Literário na Central Flipinha, às 14h30, com Ovídio Poli Jr. Às 15h30, sessão do filme A família Dionti, na Casa da Cultura, seguida de debate.

Na sexta-feira (28), o programa será aberto às 10h, na Casa da Cultura, com filme Minidocs Paraty. No mesmo local, os escritores Evanilton Gonçalves, Geovani Martins e Paloma Amorim debatem Prosa: a literatura que o Brasil faz e você desconhece, às 11h15. Segue-se Cortejo Literário, às 11h30, com Flávio de Araújo, partindo da Central Flipinha. No mesmo local, haverá uma meditação guiada, às 13h30, seguida de novo Cortejo Literário com a autora Djaimilia Pereira de Almeida, às 14h30.

Outra mesa literária ocorre na Casa da Cultura sobre literatura em todas as plataformas. Da série Páginas Anônimas, o debate vai abranger a seguir Música: a literatura que o Brasil faz e você desconhece, às 17h. Mais tarde, às 19h, haverá pocket show com Ana Frango Elétrico, Blackyva e Matheus Torreão.

No sábado (29), a programação da Flipinha terá início às 10h, na Casa da Cultura, para debater Poesia: a literatura que o Brasil faz e você desconhece, com mediação da jornalista Bianca Ramoneda. Na Central Flipinha, às 11h30, está programado Cortejo Literário, com Noemi Jaffe. A Regata INP Flipinha sairá às 12h, da Praia do Pontal. No mesmo horário, será realizada mesa literária com o tema Assista a esse livro. Entre os participantes, a escritora e atriz Fernanda Torres.

A programação continua às 13h30, na Central Flipinha, com meditação guiada e Cortejo Literário às 14h30, com Paloma Amado. Às15h, haverá sessão de cinema na Casa da Cultura, com Minidocs Paraty. A premiação da Regata INP Paraty está prevista para as 16h, na Praia do Pontal. Outro evento é a mesa literária Corpo: Artigo Indefinido, na Casa da Cultura, às 16h15.

No domingo (30), o programa da Flipinha destaca dois cortejos literários na Central Flipinha. O primeiro com Jacques Fux, às 11h30, e o segundo com Prisca Agustoni, às 13h30.

Agência Brasil

LEIA TAMBÉM!