ASSINE O NOSSO BOLETIM DE NOTÍCIAS

RECEBA AS NOTÍCIAS MAIS IMPORTANTES DIRETO NO SEU E-MAIL
iconeenvelope.png

Gameleira centenária não resiste à ação de vândalos e é cortada, em Uberlândia

Carolina Vilela

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Legenda da foto
Imagem: Carlos Vilela / TV Vitoriosa
Apesar de completamente comprometida, gameleira ainda “chora” – Imagem: Carlos Vilela / TV Vitoriosa

As lágrimas correram nos troncos da veterana Gameleira. Depois dos vários ataques de vândalos a histórica árvore da Avenida Monsenhor Eduardo não resistiu. O corte foi inevitável.

As imagens do corte, realizado no final da manhã e tarde desta quarta-feira, 29, retratam o fim de uma história centenária. Uma equipe multidisciplinar da Secretaria de Meio Ambiente e do Horto Florestal, monitorou a gameleira desde o último incêndio, registrado na madrugada do dia 17 de outubro – a sentença final.

Não era descartada a possibilidade de supressão da árvore, caso ela não reagisse com a chegada das chuvas. E foi o que aconteceu.

A gigantesca árvore apresentou inclinação, as folhas caíram rapidamente, e o risco de tombamento aumentou. As marcas deixadas pelo fogo nas entranhas da Gameleira mostram o quanto ela resistiu à violência urbana nos últimos anos.

Avenida Monsenhor Eduardo foi bloqueada para o corte da árvore histórica

O tronco já estava praticamente oco. Apesar da situação irreversível, quem viu a árvore há décadas passadas, e a vê aos pedaços no chão agora, sente a perda para a história e meio ambiente de Uberlândia.

É o caso do comerciante Carlos Alberto Alves e do marceneiro Renato Almeida. Ambos lamentaram a perda e criticaram a irresponsabilidade das pessoas com o meio ambiente.

A matéria completa você acompanha no Chumbo Grosso 2ª Edição, a partir das 11h40.

Carlos Vilela

Em nota, a Secretaria de Meio Ambiente informou que a decisão de retirar a gameleira foi tomada após uma reunião da equipe de profissionais na última semana. De acordo com o assessor técnico da secretaria de Meio Ambiente, Anderson Alves de Paula, nem mesmo a chegada das chuvas foi suficiente para que a árvore suportasse a agressão.

“Biólogos, engenheiros agrônomos, geógrafos e técnicos florestais estavam acompanhando a inclinação da árvore e entraram no consenso de que, para evitar conseqüências e garantir a segurança da população, não havia outra solução que não seja a retirada da árvore”, disse.

A prefeitura ressalta que nenhuma remoção de árvore é feita sem autorização da equipe multidisciplinar da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbanístico, que avalia todas as situações.

Reforça ainda que, para denunciar, basta entrar em contato com a Polícia de Meio Ambiente, pelo 190, ou junto ao Corpo de Bombeiros, pelo 193. A identidade do denunciante é mantida sob sigilo.

LEIA TAMBÉM!