Longa estiagem afeta estoques de água de Araguari e Uberlândia

Augusto Ikeda

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Augusto Ikeda

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Legenda da foto

As cidades de Araguari e Uberlândia estão sofrendo com uma longa estiagem que já dura mais de 100 dias. Por conta disso, os estoques de água dos dois municípios estão baixos e autoridades pedem para que a população tente economizar o máximo possível.

Em Araguari, na última sexta-feira e no último sábado (dias 1º e 2), alguns bairros da cidade tiveram o abastecimento comprometido. André Reis, superintendente da Superintendência de Água e Esgoto (SAE) do município, disse que a situação já está normalizada e afirmou que o problema foi consequência da quebra de uma bomba.

“A falta de água decorreu de um problema que ocorreu no sistema de poço artesiano, onde houve a queima de uma bomba. (O problema) Já foi solucionado no sábado, onde nós corrigimos, consertamos e trocamos a bomba, e ainda detectamos que estava com pouca vazão, com pouco volume”, explicou.

Apesar de não ter relação com o problema, o superintendente pede para que a população economize água pelos próximos dias. “Tem 100 dias que nós estamos sem chuva. Nesse período, necessitamos de certas precauções que evitem que falte (água). Que o morador evite lavar a rua, lavar a calçada”, disse.

Alerta em Uberlândia

A longa estiagem também afeta a cidade de Uberlândia. Se já não bastasse tal fato, o consumo médio de água dos uberlandenses é considerado alto. Cada pessoa gasta, em média, 280 litros por dia, o que é quase o triplo do valor recomendado pelo Instituto Trata Brasil, que é de 95 litros.

Mesmo com tal situação, Sérgio Vieira Attiê, diretor do Departamento Municipal de Água e Esgoto (DMAE), descartou a possibilidade de racionamento na cidade.

“Por enquanto, não temos risco de racionamento. Hoje, estamos produzindo água de acordo com a necessidade da população. Tudo que a população necessita a gente ta conseguindo produzir”, disse.

Apesar da possibilidade de racionamento ser descartada, as duas Estações de Tratamento de Água (ETA) de Uberlândia estão abaixo da capacidade. O nível do reservatório da estação Sucupira, por exemplo, está em 2,45 metros, sendo que o recomendado é 3 metros.

Se comparado com o mesmo período de 2016, o consumo em Uberlândia aumentou 30%, o que seria suficiente para abastecer uma cidade de 150 mil habitantes.

O diretor do DMAE acredita que o fato da água de Uberlândia ser a mais barata do Brasil, se comparada com municípios de porte semelhante, é um fator preponderante para o aumento do consumo.

“Cidades onde a água é, naturalmente, barata, como Uberlândia é, o consumo, per capita, é em torno de 250 litros. Nas cidades onde a água é mais cara, que tem uma tarifa normal, o consumo é de 160 litros por habitante”, explicou Sérgio.

Informações nos locais: Lourival Santos e Camila Rabelo

https://www.youtube.com/watch?v=fJdoeCiXD8c

https://www.youtube.com/watch?v=sLSYJ1mqu90

LEIA TAMBÉM!