ASSINE O NOSSO BOLETIM DE NOTÍCIAS

RECEBA AS NOTÍCIAS MAIS IMPORTANTES DIRETO NO SEU E-MAIL
iconeenvelope.png

Parque do Sabiá promove testes gratuitos para detecção de AIDS e outras doenças sexualmente transmissíveis

Augusto Ikeda

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Legenda da foto

Nesta sexta-feira, dia 1º, é celebrado o Dia Mundial de Luta Contra a AIDS. E nesta semana, o Parque do Sabiá promoveu, com o apoio do Ambulatório Herbert de Souza, uma série de testes gratuitos para detectar essa e outras doenças sexualmente transmissíveis (DST).

Além desses exames, também são oferecidas orientações e informativos a respeito da AIDS. A coordenadora do programa DST/AIDS e hepatites virais, Cláudia Maria Bulgarelli, disse que esse testes são rápidos e quanto mais rápido for feito o diagnóstico, melhor será o tratamento.

“Quanto mais cedo você descobre que tem alguma coisa, melhor é o tratamento, melhor é a resposta do seu organismo. O teste de HIV vai pegar se você tem HIV ou não após 4 semanas da exposição. A sífilis é 15 dias e as hepatites virais até 90 dias”, disse Cláudia.

E nesta sexta-feira, o núcleo Uberlândia da ONG Rede Nacional de Pessoas Vivendo e Convivendo com HIV/AIDS (RNP+), com o apoio do ambulatório, Universidade Federal de Uberlândia e outras instituições, promoveu uma série de testes gratuitos na Praça Tubal Vilela.

Em entrevista ao vivo para o programa Chumbo Grosso 2ª Edição, Edval Cantuário, diretor presidente da ONG em Uberlândia, disse que a promoção dos testes também tem o objetivo de tentar acabar com o preconceito que muitas pessoas que têm o vírus HIV sofrem.

“Nós sabemos que hoje, a AIDS não mata com antigamente, mas o preconceito mata. Nós percebemos que muitas pessoas desistem do tratamento e até desistem de viver devido ao preconceito. Por que ainda tem um paradigma muito forte, as pessoas associam a AIDS com pessoas que não prestam”, disse Edval

Primeiro caso foi registrado há 21 anos

De acordo com dados do Ambulatório Herbert de Souza, o primeiro caso de AIDS em Uberlândia foi registrado no ano de 1996.  Desde então, 3.640 adultos e 23 crianças possuem o vírus HIV na cidade de Uberlândia, totalizando 3.663 pessoas.

Cláudia disse que os números só foram aumentando com o passar dos anos principalmente pelo falta de uso de preservativo durante relações sexuais.

“O que a gente vem notando é que ta subindo o número de casos, tanto de AIDS como o de infecções sexualmente transmissíveis devido à falta do uso de preservativo. Não temos uma porcentagem, mas a gente, pela procura no ambulatório e o número de casos, a gente tem visto que tem crescido”, comentou.

Informações: Camila Rabelo e Vinícius Lemos

https://www.youtube.com/watch?v=BXKP537oAY0

https://www.youtube.com/watch?v=kSNPlpy8ebY

LEIA TAMBÉM!