Produtores rurais precisam participar da segunda fase de vacinação contra a febre aftosa em Minas Gerais

Augusto Ikeda

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Augusto Ikeda

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Legenda da foto

Neste mês de novembro, criadores de gado de todo o estado de Minas Gerais precisarão participar da segunda fase da campanha de vacinação contra a febre aftosa. Em Uberlândia, 100 mil animais devem ser vacinados, entre bovinos e bubalinos.

Na primeira etapa, que ocorreu no último mês de maio, a cobertura vacinal chegou a bater a marca de 98% em Minas Gerais. O estado já não registra casos de febre aftosa há duas décadas, mas a doença ainda não foi completamente erradicada.

O produtor rural Ronan Pereira já vacinou o seu pequeno rebanho e diz que é essencial que os demais produtores apliquem a vacina o quanto antes.

“Eu aconselho todos os produtores, grandes e pequenos, a vacinar o gado na época certa, na hora que começa a campanha. E aconselho também as pessoas que na hora de comprar a vacina, da loja até a sua propriedade, que traga (a vacina) bem armazenada, com gelo, em uma caixinha de isopor, bem tampadinha. E quando chegar em casa, saber armazenar essa vacina senão perde qualidade”, disse o produtor.

Ronan também lembra que é importante apresentar a documentação para as autoridades. E com relação a esse assunto, o ano de 2017 é marcado por uma novidade: produtores que tem mais de 150 cabeças de gado podem fazer a declaração diretamente na internet. Já os produtores com número menor de animais precisam da ajuda de algum órgão de assistência para fazer a declaração.

Com essa novidade, o Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA) espera conseguir ter números mais precisos, confiáveis e rápidos a respeito da cobertura vacinal da febre aftosa em 2017. Anderson Cardoso Costa, chefe do escritório seccional do IMA, lembra que pode ser uma aplicada uma multa para o produtor que não declarar a vacinação de seu rebanho.

“O produtor, hoje, deixando de declarar, ele pode ser multado em 16 reais. E se ele deixar de vacinar, a multa, arredondando, pode chegar a 82 reais”, explicou.

Informações no local: Carlos Vilela

LEIA TAMBÉM!