80% dos brasileiros testaram novas marcas e formas de comprar

Redação V9

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Redação V9

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Legenda da foto

Com a pandemia da covid-19, “os comportamentos de compra mudaram de forma irreversível, com impactos amplos no mundo do comércio eletrônico”. A conclusão é do relatório Comércio Sem Fronteiras 2021, realizado pela carteira digital PayPal. Entre as mudanças de hábitos, os consumidores estão mais propensos a experimentar novas marcas e formas de comprar, migrando para opções digitais e multicanais, influenciados pela escassez de produtos, restrições orçamentárias e preocupações quanto às compras presenciais.

Segundo o estudo, 56% dos entrevistados declararam que estão comprando mais pela internet durante a pandemia. Nos 13 mercados pesquisados, 85% dos consumidores que fazem compras pela internet afirmam que gastarão o mesmo que antes ou mais. O novo comportamento foi visto, sobretudo, nos grandes países em desenvolvimento.

A pesquisa estima que o e-commerce mundial crescerá 14,3% este ano, liderado pela China e seus mais de 710 milhões de consumidores on-line. No ano passado, as vendas no varejo on-line saltaram de US$ 3,35 trilhões em 2019 para US$ 4,28 trilhões em 2020. O crescimento – equivalente ao faturamento do comércio eletrônico nos Estados Unidos (EUA) – se deve aos novos compradores que vieram para a internet: houve um aumento de quase 28% nas compras virtuais em 2020. Só nos EUA, o crescimento projetado para 10 anos aconteceu em apenas 90 dias.

Com o crescimento do volume de compras virtuais, naturalmente houve o aumento dos valores totais gastos e maior segurança (22%) para fazer compras no exterior, com destaque para Índia, Brasil e México. “Em média, os consumidores que fizeram compras internacionais pela internet gastaram mais do que aqueles que somente compraram no mercado doméstico, apesar das campanhas nacionais e do desejo de ajudar as pequenas empresas e comprar no comércio local, observado em vários países”, diz o estudo.

Ainda de acordo com o relatório, estão mais altas as expectativas dos consumidores quanto ao valor, praticidade, segurança e experiência de compra. Por outro lado, nos países ocidentais, tempo de entrega, frete e custos de devolução são barreiras às compras internacionais. Já em relação aos meios de pagamento favoritos em compras internacionais, os ocidentais preferem o PayPal e os cartões de crédito – ambos 31% –, sendo que a segurança é o principal motivador na hora de escolher o método de pagamento, seguido pela praticidade, velocidade de processamento e aceitação.

Brasil
O levantamento mostra que no maior mercado on-line da América Latina os consumidores estão buscando bons preços no exterior, estimulados pelas pressões econômicas. Mais da metade dos compradores apertaram os cintos (57%), focando em alimentos e produtos para o lar em 2020. No entanto, estão prontos para gastar mais no futuro: um terço dos consumidores se sente otimista quanto a 2021 e a maioria estima que as rotinas e as finanças voltarão ao normal no agora segundo semestre. Inclusive, no fim de 2020, os gastos supérfluos começaram a aumentar lentamente.

Confira mais informações sobre o consumo online no Brasil:

  • Celular: o smartphone reina no Brasil. Os consumidores online relatam que 78% dos pagamentos online são feitos neles. Em áreas rurais, os smartphones costumam ser o único dispositivo para acessar a internet. A taxa de crescimento anual composta do comércio móvel até 2023 deve ser de 17,8%, superando a expectativa de crescimento geral do comércio eletrônico de 9,3%.
  • Conexão: mais de 40% dos consumidores brasileiros online disseram que conexões instáveis à internet impediram uma compra.
  • Meios de pagamento: os métodos de pagamento mais comuns no comércio eletrônico são os cartões, parcelamento, boleto bancário e o PayPal. Nas compras internacionais, 29% dos brasileiros que compram pela internet descrevem o PayPal como uma “marca conhecida e confiável”, em comparação com os cartões de crédito (12%).
  • Novos hábitos de consumo: a grande maioria dos consumidores testaram novas marcas e novas formas de comprar (80%), com ênfase em experiências online e multicanal. Buscando bons preços, 38% dos brasileiros que fazem compras on-line também disseram estar mais dispostos a fazer compras internacionais agora do que antes da pandemia.
  • Oferte bons preços agora para vender produtos mais caros depois: a prioridade dos consumidores brasileiros ainda são as ofertas, enquanto as atividades normais e gastos supérfluos ainda não voltaram completamente. Agora é a hora de aproveitar o otimismo inerente do país em relação ao futuro. Ofereça bom custo-benefício agora e crie as conexões que permitirão que você venda itens mais caros no futuro.
  • Black Friday: Em 2020, as vendas da Black Friday no Brasil chegaram a R$ 4 bilhões – aproximadamente US$ 680 milhões –, crescendo mais de 25%. O evento pode, portanto, ajudar novos vendedores a entrar no amplo mercado brasileiro eletrônico, que segue em expansão. As principais categorias incluem produtos de beleza e saúde, moda e acessórios, decoração e eletrodomésticos, eletrônicos e entretenimento.
  • Redes sociais: 69% dos vendedores de comércio eletrônico no Brasil estão nas redes sociais, especialmente no Facebook. Portanto, ter perfil nas redes sociais é importantíssimo para quem quer vender no país.

Fonte: Varejo S.A./CNDL

LEIA TAMBÉM!