Curso de Dança da UFU celebra primeira década

Redação V9

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Redação V9

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Legenda da foto

Na primeira de uma série com três reportagens, conheça a história e as propostas deste importante centro de formação artística no interior do Brasil

Neste ano de 2021, o curso de Bacharelado em Dança está completando 10 anos de existância na Universidade Federal de Uberlândia (UFU). Esta iniciativa se destaca entre as Instituições de Ensino Superior brasileiras como a única com atuação exclusiva nessa modalidade profissional localizada no interior. Doutor em Artes Cênicas e mestre em Dança pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), Alexandre Molina integra o corpo docente deste curso da UFU desde 2013 e realizou uma pesquisa sobre os egressos dele.

De acordo com o estudo, a criação deste bacharelado foi proposta, em 2007, pela então Faculdade de Artes, Filosofia e Ciências Sociais (Fafcs), que, após desmembramento, deu origem ao Instituto de Artes (Iarte), unidade que hoje acolhe o curso de Dança. “A proposição de criação do curso se deu no âmbito do Plano de Expansão da Universidade Federal de Uberlândia (Pide) para o período de 2008 a 2012, com recursos do Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais (Reuni) – cujo objetivo era ‘criar condições para a ampliação do acesso e permanência na educação superior, no nível de graduação, para o aumento da qualidade dos cursos e pelo melhor aproveitamento da estrutura física e de recursos humanos existentes nas universidades federais.’ Na ocasião da elaboração daquela edição do Pide, a professora Margarete Arroyo tinha assento na comissão como representante da Fafcs. O plano foi aprovado pelo Conselho Universitário em 7 de dezembro de 2007”, informa Molina.

O processo de criação do Projeto Político Pedagógico (PPP) para o curso de Dança foi iniciado na Fafcs em 2010, com aprovação pelo Colegiado do Curso de Teatro em julho daquele ano. A proposta foi remetida ao conselho desta faculdade, o Confafcs, que aprovou o documento em 28 de outubro de 2010. Finalmente, em 21 de dezembro de 2010, o Projeto do Curso de Dança foi apreciado e aprovado no Conselho de Graduação (Congrad) – via Resolução nº 52/2010. “No dia 21 de fevereiro de 2011, o curso de Bacharelado em Dança da UFU inicia suas atividades pedagógicas, com o ingresso da primeira turma, mas vale ressaltar que, desde a aprovação do projeto pelo Colegiado do Curso de Teatro, os trabalhos de planejamento e organização já foram iniciados. O bloco 5U, no Campus Santa Mônica, acolhe este curso desde 23 de maio de 2012, mas inicialmente as aulas aconteciam na sede da Oficina Cultural, em parceria com a Prefeitura de Uberlândia”, relata o docente.

Conceitos

Em sintonia com pensamentos contemporâneos de arte, corpo, cultura e tradição, o curso de Dança da UFU, conforme destaca seu projeto pedagógico, tem atuado na capacitação profissional de artistas para o exercício da criação em dança, o desenvolvimento da sensibilidade artística e a promoção de pensamento reflexivo sobre as diversas dimensões que atravessam essa prática, proporcionando a seus estudantes desenvolver sua arte de modo muito particular. Ao reconhecer as práticas profissionais anteriores de seus discentes, o bacharelado procura complementar seu processo de formação, além de incentivar e possibilitar sua participação em grupos de pesquisas e em ações de extensão.

“Um dos objetivos do curso é o de valorizar a formação interdisciplinar e específica do artista da dança, por meio de uma equilibrada relação entre experiência prática e fundamentação teórica, considerando o trânsito criativo entre as diversas áreas de conhecimento. Assim, além de abordagens específicas em dança, há também a interlocução com outros campos de saber, tais como: música, filosofia, teatro, antropologia, estudos culturais, estudos de gênero, performance, entre outros”, aponta Molina.

A estrutura atual do bacharelado conta com nove docentes efetivos, dos quais seis são doutores e três, mestres. A coordenação pedagógica está a cargo do professor Vanilto Alves de Freitas e a coordenação de área é realizada pela professora Cláudia Góes Müller. Dando suporte aos trabalhos, há três técnicos administrativos: Alexis Ferreira da Silva (técnico de Laboratório/Arte e Tecnologia); Fátima Marina de Oliveira (secretária da Coordenação do Curso de Dança)  e Lúcio Silva Pereira (técnico de Laboratório/músico).

Mercado de trabalho

O texto de apresentação do curso na página oficial do Instituto de Artes (Iarte/UFU) destaca que o campo de atuação primordial como bacharel em Dança é “a criação, a produção e a pesquisa artística”. Portanto, este profissional está apto a atuar como: bailarino, coreógrafo, diretor de espetáculos, preparador corporal, produtor e executor de projetos artísticos e culturais, dentre outros. “Além disso, o egresso do curso é capacitado para concorrer em concursos públicos para o magistério superior, prosseguir com pesquisas em cursos de pós-graduação e atuar como educador em espaços não-formais de ensino”, complementa o professor.

Na avaliação de Molina, ao longo dessa primeira década de trabalho, o curso de Dança da UFU avançou na qualificação de seu corpo docente e técnico, ampliou o escopo de projetos de pesquisa e extensão, além de promover sua atuação junto a públicos de Minas Gerais e de outras unidades da federação, como São Paulo, Goiás, Distrito Federal, Mato Grosso do Sul e Rio de Janeiro. “Nesse sentido, olhar para essa história é uma importante oportunidade para revisar seus propósitos, reconhecer as possíveis fragilidades, sempre na perspectiva de oferecer uma formação profissional superior de qualidade, gratuita e socialmente referenciada”, pondera. E conclui: “Esse processo, ao mesmo tempo comemorativo e que revisita a própria história, tem ainda o desejo de prospectar o futuro do curso pelos próximos 10 anos. Assim, cumprimos, ainda, nossa missão de gestão educacional atenta às dinâmicas e processos próprios da dança, em nosso contexto de atuação.”

Fonte: Portal Comunica UFU

LEIA TAMBÉM!