Brasil: motorista por aplicativo é espancada e jogada de ponte por adolescentes

Redação V9

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Redação V9

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Legenda da foto

Violência só terminou porque a vítima se fingiu de morta

Uma motorista por aplicativo foi espancada e jogada de uma ponte por quatro adolescentes em um assalto, em Tangará da Serra, no interior do Mato Grosso. Márcia Angola foi rendida após aceitar uma corrida no município, a 200 km de Cuiabá.

As marcas pelo rosto dela mostram a crueldade das agressões, que foram praticadas ao longo de um trajeto de 18 km. “Eles me enforcando o tempo todo, me agredindo muito, eu achei que eu ia realmente morrer. Única coisa que eu podia fazer era pedir a Deus para que ele me ajudasse a sair daquela situação de alguma forma”, relata a vítima.

A violência só terminou porque ela se fingiu de morta. “Na minha cabeça, se eles pensassem que eu estivesse morta, eles iam parar de me agredir, né? Foi isso o que eu pensei na hora”, acrescenta a motorista. Na ocasião do crime, ao chegarem à ponte do Rio Sepotuba, os criminosos amarraram a mulher com uma corda e, então, a jogaram. Depois, ela esperou a quadrilha ir embora, saiu da água e pediu ajuda a moradores da região.

Os adolescentes fugiram com o carro roubado para o município de Nova Olímpia, onde furtaram uma relojoaria, conforme mostram imagens de uma câmera de segurança. No dia seguinte, os quatro foram apreendidos pela polícia. De acordo com o major Eduardo Henrique Lana, “confessaram que teriam, após as inúmeras agressões realizadas na vítima, acreditou-se que ela estava morta e por isso desovaram ela da ponte”.

Na delegacia, um dos suspeitos foi agredido pela própria irmã, que ficou revoltada ao saber do caso. Em um vídeo gravado com celular, é possível ver o momento, com ela questionando: “Tá faltando feijão dentro da sua casa, desgraçado? ‘Tá faltando?”. Para a motorista, os momentos de terror dificilmente serão esquecidos. Nas palavras dela, “eles chegaram no ponto de falar que não tinham mais força para me bater. Então, é uma coisa horrorosa isso”.

Veja reportagem do SBT Brasil:

SBT NEWS

LEIA TAMBÉM!