Caso Bernardo – Pai e madrasta são condenados por morte do menino

Carolina Vilela

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Carolina Vilela

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Legenda da foto

Quase cinco anos após a morte de Bernardo Boldrini, jurados votaram pela condenação de quatro pessoas envolvidas no crime que aconteceu em Três Passos, no Rio Grande do Sul. São elas: o pai do menino, Landro Boldrini, a madrasta, Graciele Ugulini, a amiga do casal, Edelvânia Wirganovicz, e o irmão dela, Evandro Wirganovicz.

O julgamento que teve início na última segunda-feira (11), durou cinco dias. Leandro foi condenado por homicídio, Graciele por homicídio qualificado, Edelvânia foi condenada por homicídio ocultação de cadáver e Evandro por homicídio simples ocultação de cadáver.

Durante os interrogatórios, Leando e Evandro negaram terem participado do crime e Graciele declarou que a morte de Bernardo foi acidental – após o menino ter ingerido uma quantidade excessiva de remédios.

Os jurados concluíram que o crime foi premeditado.

As penas 

A sentença foi lida na noite desta sexta-feira (15) no Foro de Três Passos (RS):

Leandro Boldrini, pai de Bernardo
Por homicídio: 30 anos e oito meses de prisão
Por ocultação de cadáver: 2 anos de prisão e 18 dias
Por falsidade ideológica: 1 ano de prisão e 10 dias
Total: 33 anos e oito meses de prisão e 28 dias
Graciele Ugulini, madrasta de Bernardo 
Por homicídio qualificado: 32 anos e 8 meses de prisão
Por ocultação de cadáver: 11 meses de prisão
Total: 34 anos e 7 meses de prisão

Edelvânia Wirganovicz, amiga do casal 
Por homicídio simples e ocultação de cadáver: 9 anos e 6 meses de prisão

Evandro Wirganovicz, irmão de Edelvânia 
Por homicídio qualificado e ocultação de cadáver: 23 anos de prisão

Quatro réus e um crime que chocou o país

Bernardo era órfão por parte de mãe e vivia com o pai, o médico Leandro Boldrini, e a madrasta, Graciele Ugulini, em Três Passos. No dia quatro de abril de 2014, Bernardo Boldrini, de apenas 11 anos, morreu depois de ser obrigado por sua madrasta a ingerir altas doses de medicamento. Ela teve a ajuda do pai de Bernardo, de uma amiga, Edelvânia Wirganovicz, e do irmão de Edelvânia, Evandro Wirganovicz. O corpo só foi encontrado dez dias depois em uma cova, na cidade de Frederico Westphalen. Os quatro réus estão presos desde 2014 e, agora, foram a júri popular.

SBT

 

LEIA TAMBÉM!