Começa o julgamento de dois acusados da morte brutal da grávida Greiciara Belo Vieira

Carolina Vilela

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Carolina Vilela

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Legenda da foto

Começou nesta quinta-feira, 27, o julgamento de dois dos seis acusados de envolvimento no assassinato Brutal da jovem Greiciara Belo Vieira, de 19 anos, que estava grávida de 9 meses. O crime bárbaro, cometido com requintes de crueldade, chamou a atenção de todo o país. A gestante teve o bebê arrancado da barriga com ela ainda viva. Depois foi jogada numa represa com mãos e pés amarrados e pedras enroladas no corpo com uma tela de arame.

Onze meses depois do crime, o júri popular dos réus Lucas Mateus Silva, de 22 anos, travesti conhecida como Mirela, e Jonathan Martins Ribeiro de Lima, de 24 anos, começou às 8h, no Fórum Desembargador Newton Ribeiro da Luz. O crime aconteceu em agosto de 2016. Os autores queriam o bebê da vítima. A mandante do crime seria Shirley de Oliveira Benfica, que precisava de um filho para manter um relacionamento com um empresário de Araguari, para quem teria mentido uma gravidez.

Leia também

Suposta mandante de crime contra grávida também teria sequestrado bebê no Ipanema

Shirley e os outros acusados de envolvimento no crime, a enfermeira Jacira Santos de Oliveira, Michel Nogueira de Oliveira e Luís Felipe Morais foram indiciados por homicídio quadruplamente qualificado – por motivo torpe, meio cruel, impossibilidade de defesa da vítima e por assegurar a execução de outro crime. Eles ainda serão julgados.

O crime

A quadrilha sequestrou a jovem com o intuito de tirar o bebê que ela esperava. O corpo de Greiciara Belo Vieira foi encontrado dois dias depois do crime, boiando em uma represa na cidade de Ituiutaba. Segundo as investigações da Polícia Civil, a vítima, que morava em Uberlândia, foi apenas sedada com éter, e estava viva quando teve o bebê retirado da barriga. Houve momentos em que ela acordava e gritava de dor durante a cesariana clandestina. Depois ela foi enforcada até a morte, teve as mãos e pés amarrados, e teve o corpo enrolado em uma tela com pedras para que afundasse na água. O corpo foi encontrado com a barriga aberta e as vísceras expostas.

A travesti Mirela, que mora em Ituiutaba, era amiga de Greiciara e foi quem atraiu a vítima para o sequestro. Como pagamento receberia dinheiro e um aparelho celular. Ela levou Greiciara até uma casa no Bairro Santa Mônica, onde os outros demais autores estavam. Eles levaram a vítima para a zona rural de Ituiutaba, onde foi submetida ao procedimento cirúrgico para a retirada da criança.

Depois do crime, a menina foi encontrada na casa de uma babá, contratada por Shirley. A criança foi encaminhada para o HC-UFU e depois entregue à avó materna.

Grávida de 8 meses é achada boiando em represa com pedra amarrada ao corpo

https://www.youtube.com/watch?v=-PiGFKOPUr0

LEIA TAMBÉM!