Contra pedofilia: PCMG cumpre 14 buscas e prende nove suspeitos

Redação V9

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Redação V9

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Legenda da foto
Fonte: Divulgação Polícia Civil de Minas Gerais

A Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG), em parceria com a Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp) do Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP), deflagrou, no início da manhã desta sexta-feira (20), a operação integrada Luz na Infância, maior ação da história de combate à pedofilia.

Foram cumpridos, em Minas Gerais, 14 mandados de busca e apreensão, além da prisão em flagrante de nove suspeitos. A operação ocorreu de forma simultânea nos municípios de Belo Horizonte, Ribeirão das Neves, Guaxupé, Itabira, Boa Esperança, Sete Lagoas, Juiz de Fora, Uberlândia e Ipatinga, com o empenho de 74 policiais.

Os alvos da operação Luz na Infância foram identificados através de um levantamento de informações feito pela Senasp e pela Embaixada dos Estados Unidos da América no Brasil – Adidância da Polícia de Imigração e Alfândega em Brasília (US Immigration and Customs Enforcement – ICE). Com base em informações e evidências coletadas em ambientes virtuais, a Polícia Civil instaurou inquéritos policiais e representou pelas buscas e apreensões junto ao Poder Judiciário, visando apreender computadores e dispositivos informáticos onde estão armazenados os conteúdos de pedofilia, indiciar e prender os criminosos.

Os trabalhos investigativos vêm sendo feitos há seis meses e resultam do aprimoramento do trabalho de inteligência de segurança pública e atuação em modelo de força tarefa, que reúne, em um mesmo ambiente de trabalho, policiais com expertise e capacitação na repressão aos crimes virtuais e de pedofilia, cenário ideal para coletar e preservar evidências criminosas, garantindo, como consequência, a identificação e posterior condenação dos criminosos pela Justiça.

O Superintendente de Investigação e Polícia Judiciária, Delegado-Geral Márcio Lobato, ressaltou o trabalho em conjunto das Polícias do Brasil e, também, a integração da PCMG, que utilizou-se de técnicas avançadas de inteligência investigativa para obter o sucesso na operação. “A Polícia Civil trabalha sempre integrada em todo o Estado, desta forma conseguimos desenvolver nosso trabalho de repressão aos crimes com excelência. Em Minas Gerais não iremos descansar enquanto este tipo de crime de tamanha repudia, e outros, não existam mais”, ressaltou.

Pedófilos, normalmente, são pessoas adultas que têm preferência sexual por crianças pré-púberes ou no início da puberdade. O complexo ambiente da internet e a ausência de fronteiras no mundo virtual são elementos que propiciam terreno fértil à atuação desses criminosos.

Já o Superintendente de Informações e Inteligência Policial, Delegado-Geral Joaquim Francisco Neto e Silva, ressaltou que a PCMG está em constante vigilância para identificar tais criminosos. “Temos recursos de tecnologia avançada e estamos monitorando para, em breve, realizarmos novas operações como essas”, afirmou.

Operação em números

O balanço nas cidades em que ocorreram a operação foi: Belo Horizonte foram cumpridos cinco mandados de busca e apreensão e realizadas três prisões em flagrante. Em Guaxupé foram cumpridos dois mandados de busca e apreensão com duas prisões também em flagrante. Em cada uma das demais cidades-alvo da operação, foi cumprido um mandado de busca e apreensão, com a prisão de um suspeito.

Para o chefe da Divisão Especializada de Orientação e Proteção à Criança e ao Adolescente, Delegado Aloísio Daniel Fagundes, em Minas a Operação foi muito bem sucedida. “Estes tipos de crimes são de difícil identificação dos autores e exigem constantes monitoramentos, o que está sendo realizado pela PCMG. Os 14 mandados que tínhamos foram cumpridos e conseguimos prender nove suspeitos. O trabalho, em conjunto com as polícias do Brasil e os serviços de inteligência, foi fundamental”, contou.

A Delegada Iara França Camargos, também responsável pelas investigações, informou que a operação focou na busca  de arquivos de pornografia infantil e isso foi enquadrado no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). “Um dos alvos, além de armazenar as imagens, as compartilhava, o que configura um crime ainda mais grave”, relatou.

Os crimes aos quais os suspeitos irão responder constam na Lei 11.829/2008, artigo 241-A, que trata da divulgação de fotografias, vídeos ou outros registros que contenham cenas pornográficas envolvendo criança ou adolescente (pena de três a seis anos de reclusão, além de multa) e Artigo 241-B, que trata da armazenagem dos mesmos materiais (penas de um a quatro anos e multa).

Luz na Infância

A operação foi intitulada Luz na Infância por serem bárbaros e nefastos os crimes contra a dignidade sexual de crianças e adolescentes. A internet facilita esse tipo de conduta criminosa e, via de regra, os criminosos agem nas sombras e guetos da rede mundial de computadores.

Luz na Infância significa propiciar às crianças e adolescentes vítimas de abuso e violência sexual o resgate da dignidade, bem como tirar esses criminosos da escuridão, para que sejam julgados à luz da Justiça.

Polícia Civil de Minas Gerais

LEIA TAMBÉM!