ASSINE O NOSSO BOLETIM DE NOTÍCIAS

RECEBA AS NOTÍCIAS MAIS IMPORTANTES DIRETO NO SEU E-MAIL
iconeenvelope.png

Criminosos rendem carreta de adubo em posto da BR-153 e motorista vive horas de terror

Carolina Vilela

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Legenda da foto

Um carreteiro passou por maus momentos nas mãos de bandidos que renderam a vítima em um posto da BR-153, perto da divisa de Minas Gerais com Goiás.  Leliando Carlos Soares foi abandonado no meio do mato, perto da cidade de Prata. Foram 6 horas de pressão psicológica e ameaças sob a mira de um revólver.

O alvo dos bandidos era a carreta bitrem, carregada com 36 toneladas de adubo. O dono da empresa percebeu que tinha algo errado, pois o rastreador mostrava que o veículo estava fora da rota, e acionou a Polícia Militar. Um dos criminosos foi abordado numa praça de pedágio.

Nessa abordagem conseguimos prender um dos integrantes dessa quadrilha. Logo mais à frente, em um posto de combustíveis o segundo integrante foi preso. Eles confessaram participação no delito que ocorreu no km 49 da BR-153. Um terceiro elemento estaria com o refém, em um matagal próximo a Araporã”, disse o capitão Andrade, da PM.

O motorista ficou mais de 6 horas em poder dos bandidos. Além de ser ameaçado, um dos suspeitos ainda ligou para a família dele. Enquanto estava em poder dos três criminosos, ele ouviu os bandidos negociando a carga, dizendo que já havia um comprador. Os pneus do bitrem também seriam vendidos em Uberlândia.

O que ficou comigo me ameaçou, ameaçou minha esposa e minha filha por telefone, sem me avisar. Ele só mandava que eu falasse pra minha filha obedecer o que ele estava mandando e eu não sabia o que era, mas ele falava com ela longe de mim. Ele pedia pra ela enviar foto pornográfica, a minha esposa. E eu lá no mato.“, disse a vítima.

Leliando Carlos Soares, conhecido como Netinho, é motorista há 6 anos. Mesmo cansado, abalado emocionalmente e com os pés sujos e descalço, ele fez questão de agradecer à Polícia e conta que nunca tinha passado por momentos tão difíceis na estrada.

Repórtagem de Kátia Medeiros

LEIA TAMBÉM!