Júri popular condena dois jovens pelo assassinato de grávida para roubar bebê

Carolina Vilela

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Carolina Vilela

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Legenda da foto
Imagem: José Lúcio / TV Vitoriosa

O júri popular realizado nesta quinta-feira, 27 de julho, condenou à prisão dois dos seis acusados de envolvimento no assassinato brutal da jovem Greiciara Belo Vieira, de 19 anos. O crime aconteceu no dia 19 de agosto de 2016. Lucas Matheus Silva, de 22 anos, conhecido como Mirela, pegou 19 anos e 8 meses de prisão. Já Jhonatan Martins Ribeiro de Lima, de 24 anos, foi condenado a 25 anos e 9 meses.

Os réus chegaram ao Fórum Desembargador Newton Ribeiro da Luz, em Ituiutaba, escoltados por agentes do presidio. Familiares dos réus, da vítima e estudantes de direito estavam presentes no salão do júri para acompanhar todo o processo. O julgamento durou aproximadamente 10 horas. Foram ouvidos os dois réus e uma testemunha. Confira no vídeo as sonoras dos advogados de defesa.

O assassinato da jovem Greiciara ocorreu em 19 de agosto de 2016. Ela estava grávida de nove meses e morava em Uberlândia com a família. O corpo da vítima foi encontrado dois dias depois do crime boiando em uma represa na cidade de Ituiutaba. Ela teria sido sedada com éter e o bebê retirado da barriga da mãe sem anestesia, em uma cesariana clandestina. Greiciara estava viva e em alguns momentos acordada, sentindo todas as dores do procedimento criminoso.

Depois da retirada do bebê, uma menina, Greiciara foi enforcada até a morte. O corpo dela enrolado em uma tela de arame com pedras para que afundasse na represa em que foi jogado. De acordo coma as investigações, Shirley de Oliveira Benfica foi a mandante do crime. Ela simulou uma falsa gravidez para sustentar o relacionamento com o namorado e precisava de um bebê.

A menina foi encontrada na casa da babá contratada por Shirley, em Uberlândia. Após exame de DNA para comprovar parentesco, a menina foi entregue à avó materna, Andreia Maria Belo, que deu o nome de Alícia Marianny à netinha.

Ao todo seis pessoas estão presas e foram indiciadas por homicídio quadruplamente qualificado. Os demais envolvidos, a mandante Shirley de Oliveira Benfica, a enfermeira Jacira Santos de Oliveira, Michel Nogueira de Oliveira e Luís Felipe Morais ainda serão julgados.

Começa o julgamento de dois acusados da morte brutal da grávida Greiciara Belo Vieira

LEIA TAMBÉM!