ASSINE O NOSSO BOLETIM DE NOTÍCIAS

RECEBA AS NOTÍCIAS MAIS IMPORTANTES DIRETO NO SEU E-MAIL
iconeenvelope.png

Mulher afirma que também perdeu o filho após parto na Santa Casa de Araguari

Redação V9

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Legenda da foto
Natali Gabrieli da Costa disse que também perdeu o filho na Santa Casa de Araguari, após a criança ficar internada 76 dias no local Fonte: Reprodução TV Vitoriosa

No início desta semana, a TV Vitoriosa mostrou o caso da dona de casa Tânia Borges Vieira da Silva, que perdeu a filha durante o parto, que foi realizado na Santa Casa de Araguari. Ela alega que a cabeça da filha foi separada do corpo durante o procedimento e já acionou a justiça.

Após a exibição da reportagem no programa Chumbo Grosso, outras mulheres que entraram em contato com a TV Vitoriosa, relatando que passaram por situação semelhante à de Tânia. Uma delas é Natali Gabrieli da Costa, que perdeu o filho, Miguel, no dia 25 de agosto.

Natali disse que o nascimento do filho ocorreu no dia 11 de junho e alegou que foi forçada a fazer o parto normal pelos médicos da Santa Casa. O bebê já teria nascido sem vida, mas foi reanimado e ficou internado no local por 76 dias. Ainda segundo a mãe, a criança sofreu asfixia, inchaço no crânio, acumulou água no cérebro e bebeu mecônio (as primeiras fezes que são eliminadas pelo recém-nascido) durante o procedimento.

Natali com o filho, Miguel, durante o período em que o bebê ficou internado Fonte: Arquivo Pessoal

Durante o período em que o bebê ficou internado, Natali disse que o filho passou por duas cirurgias: uma de traqueostomia e outra de gastrostomia. Após um dos procedimentos, o bebê contraiu uma bactéria que consumiu seu intestino. A criança foi a óbito no dia 25 de agosto.

Em entrevista para a TV Vitoriosa, Natali reclamou do tratamento que recebeu dos médicos da Santa Casa de Araguari e acredita que a instituição forçou o parto normal do filho por questões financeiras, apesar do bebê não estar na posição correta para a realização do procedimento.

“Um médico da lá de dentro da Santa Casa me disse assim: ‘Natali, uma parto normal aqui, pra gente, sai em torno de dois mil reais, que cai na nossa conta. E um parto cesárea, 500 (reais).’ Ou seja, eles estão trocando dois mil reais por uma vida. Pra eles, o mais importante é o dinheiro, não a vida de um bebê, a vida de uma mãe”, afirmou Natali.

A mãe disse que, na época, não teve coragem de fazer o Boletim de Ocorrência na polícia, mas que ainda pensa em realizar o registro.

Nota do CRM-MG

Em nota divulgada à imprensa, o Conselho Regional de Medicina de Minas Gerais (CRM-MG), disse que tomou conhecimento das denúncias dos fatos ocorridos na Santa Casa de Araguari apenas nesta quinta-feira, 16.

O conselho disse que abrirá sindicância para apurar os fatos e que as penas disciplinares estão previstas no artigo 22 da Lei nº 3.268/1957.

Informações no local: André Silva

LEIA TAMBÉM!