Operação Metritá: polícia civil reprime lavagem de dinheiro em Uberlândia

Redação V9

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Redação V9

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Legenda da foto

A Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG) deflagrou, nessa sexta-feira (11/6), em Uberlândia, Triângulo Mineiro, a primeira fase da operação Metritá, visando à repressão do crime de lavagem de dinheiro, supostamente proveniente do tráfico de drogas. Foram cumpridos seis mandados de busca e apreensão em imóveis ligados a suspeitos de envolvimento no esquema criminoso, incluindo residências, empresas e um escritório de contabilidade.

No curso da operação, os policiais apreenderam quatro veículos, além de diversos documentos, aparelhos telefônicos e computadores, os quais serão objeto de análise. Ainda, um homem foi preso em flagrante pela prática de crimes ambientais, uma vez que, em um dos endereços, o suspeito armazenava botijões de gás em condições irregulares e vendia carvão vegetal sem nota fiscal. Ele também mantinha um cão em condições de maus-tratos.

 

A prisão foi realizada com apoio da Delegacia de Repressão aos Crimes contra o Meio Ambiente em Uberlândia, que participou dos trabalhos coordenados pela Delegacia Regional de Polícia Civil, pertencente ao 9º Departamento. A Polícia Militar de Meio Ambiente foi acionada e lavrou diversas multas em desfavor do infrator. Após o procedimento de autuação em flagrante pela PCMG, o suspeito foi encaminhado ao sistema prisional.

 

Investigação

 

Os trabalhos investigativos que culminaram na operação Metritá – cujo nome remete a substantivo grego para designar dinheiro – são desdobramento de uma prisão em flagrante no dia 16 de janeiro deste ano. Na ocasião, a Polícia Militar flagrou o suspeito saindo de um local utilizado para guarda de armas e de entorpecentes. O homem foi abordado em veículo no qual transportava quase R$ 27 mil em espécie. Em seguida, os policiais retornaram ao imóvel e encontraram 23 barras de crack, apetrechos e utensílios utilizados para preparação da droga e uma pistola calibre 380.

 

A partir daí, a PCMG instaurou procedimento investigatório para apurar a possível ocultação e dissimulação de origem de bens e valores decorrentes, direta ou indiretamente, do crime de tráfico de drogas. No curso dos levantamentos, os policiais identificaram que o investigado é apontado como um dos maiores traficantes da região do bairro Canaã e utilizava empresas de seus familiares para dar aparência de licitude aos bens.

 

As investigações apontam indícios de que os suspeitos utilizavam empresas no ramo do comércio de bebidas e distribuição de gás para justificar a origem dos valores provenientes das condutas criminosas. Também foram identificados diversos veículos, supostamente adquiridos em nome de interpostas pessoas (“laranjas”), visando ocultar a verdadeira propriedade dos bens, os quais são utilizados para conversão de valores, em tese, ilícitos, em bens lícitos.

 

Há, ainda, indicativos de que os suspeitos contavam com a participação de escritório de contabilidade para legitimar os balanços contábeis das empresas de fachada.

 

Sequestro de bens

 

As investigações demonstraram descompasso entre a renda declarada dos suspeitos e o patrimônio que eles ostentavam. Assim, a Polícia Civil representou por medidas cautelares, como quebra de sigilo bancário e fiscal, de busca e apreensão, e sequestro de bens e valores. Como desdobramento, o Poder Judiciário da comarca expediu ordens para sequestro de até R$ 300 mil em contas bancárias, poupanças e fundos em nome dos investigados e pessoas jurídicas utilizadas no suposto processo de lavagem, além de decretar a indisponibilidade dos valores e veículos já apreendidos.

LEIA TAMBÉM!