Polícia investiga morte durante o parto em que bebê teve a cabeça arrancada, em Araguari

Carolina Vilela

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Carolina Vilela

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Legenda da foto
Tânia Borges chorou ao falar que a filha nasceu pelos pezinhos e teve a cabeça separada do corpo durante o parto –
Imagem: TV Vitoriosa

Após o caso de grande repercussão da bebê Rebeca, que teve a cabecinha separada do corpo durante o parto normal da mãe em Araguari, nossa equipe foi até a cidade acompanhar o trabalho de investigação da Polícia Civil. A delegada Paula Fernanda, que está responsável pelo caso, preferiu não gravar entrevista por enquanto, mas disse que a PC já instaurou inquérito para apurar o parto mal-sucedido na Santa Casa de Misericórdia.

Paula Fernanda é delegada da mulher. Ela disse que várias pessoas estão sendo ouvidas: a mãe, familiares dela e corpo médico do hospital, para apurar os responsáveis pela morte da criança. Segundo informações da família a menina chegou com vida na barriga da mãe, a do lar Tânia Borges Vieira.

Tânia mora em Tupaciguara e teve um pré-natal tranquilo. Ela estava com 39 semanas de gestação quando começaram as dores do parto. O bebê estava na posição pélvica, ou seja, estava sentado. Segundo estudos, o mais indicado nessa condição é o parto cesárea. A mãe relata que a filha tinha quase 4 kg e ouviu uma enfermeira dizendo que não havia condição de parto normal, pois mãe e filha corriam risco de morte. Mesmo assim o parto foi forçado e a Rebeca começou a nascer pelos pezinhos. Segundo Tânia, a menina estava presa pela cabecinha e o médico forçou tanto para sair que ela se separou do corpinho do bebê.

O caso segue em sigilo.

Leia a reportagem anterior

Bebê tem a cabeça arrancada durante o parto em Araguari, diz a parturiente

Informações de Anderson Magrão

LEIA TAMBÉM!