Polícia registra aumento no número de pessoas desaparecidas em Uberlândia no ano de 2017

Augusto Ikeda

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Augusto Ikeda

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Legenda da foto

O número de pessoas que desapareceram em Uberlândia, até o final do mês de agosto, já é maior que no mesmo período do ano passado, segundo dados da Polícia Militar (PM): 732 casos contra 658.

Problemas familiares, envolvimentos com drogas, dívidas com outras pessoas, problemas psiquiátricos e até mesmo o alcoolismo são citados como principais motivos que fazem uma pessoa entrar para a lista de desaparecidos.

Um desses casos é o do aposentado Hélio Alves, de 67 anos, que está desaparecido desde o último dia 9 de setembro. Ele saiu de casa sem levar documentos ou aparelho celular. A família ainda não consegue compreender o desaparecimento do idoso.

“Ele não tem rixa, não tem nenhuma passagem (pela polícia), ele é tranquilo, não tem nenhum tipo de enfermidade, nenhum lapso de memória. Estamos sem entender e a gente tá desesperado. Como que uma pessoa sai sem nada?”, disse Leonícia Geralda, esposa de Hélio.

O desaparecimento do aposentado, por exemplo, está entre os cinco que foram relatados pela TV Vitoriosa entre os dias 7 e 9 de setembro.

Em todo o ano de 2016, foram registrados 1.029 casos. A faixa etária com o maior número de desaparecidos é de 35 a 64 anos, com um total de 845 pessoas desaparecidas, seguido de adolescentes entre 12 e 17 anos, com 373 casos.

Relação com crimes

O Sargento Teodoro, que faz parte da Patrulha de Prevenção de Homicídio, explica que crimes, como homicídios, também podem ter relação com desaparecimentos.

“A respeito dos desaparecimentos, a gente pega essas ocorrências e faz esses levantamentos para saber o motivo que desapareceu, o porquê do desaparecimento e se está relacionado com o crime para que possa identificar um possível encontro de cadáver e fazer esse alinhamento”, disse.

Ainda assim, o sargento lembra que apenas 8% dos casos de desaparecimentos possuem relação com crimes. “Apenas cerca de 8% das ocorrências é que realmente são pessoas que desaparecem de suas residências por envolvimento com o crime, tanto faz por tráfico de drogas quanto um desacerto comercial”, comentou.

Procurar a polícia é fundamental

A Capitã Patrícia explica que é um importante que parentes relatem o quanto antes o desaparecimento de uma pessoa, para aumentar às chances de encontrá-la.

“Eles podem buscar orientação na Polícia Militar, chegando à sede de uma companhia, com as maiores informações possíveis. Por exemplo, com quem essa pessoa se relacionava e quais os tipos de local que ela frequentava. Por que isso já nos dá um norte pra iniciarmos as buscas e o direcionamento de informações”, disse.

Além de procurar a Polícia Militar, também é fundamental acionar também a Polícia Civil, já que ela que é a responsável por realizar as investigações.

“Nós instauramos um procedimento, chamado procedimento investigatório de pessoa desaparecida, aonde a gente conversa com a família, busca características mais específicas da vítima, como tatuagem, se tem alguma marca no corpo. E a partir daí, a gente inicia as investigações”, explicou a delegada Daniela Novais.

Informações no local: Camila Rabelo

LEIA TAMBÉM!