Veterinário é condenado por matar estudante de psicologia há 13 anos

Carolina Vilela

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Carolina Vilela

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Legenda da foto

condenado-por-matar-estudante-com-tiro-em-2003Após mais de 10 horas de julgamento no Fórum Abelardo Penna, em Uberlândia, o médico veterinário Daniel Alexander Pereira da Cunha foi condenado a 13 anos de prisão em regime fechado pela morte da ex-namorada Elisângela Aparecida Oliveira Araújo, de 23 anos.

Para o júri, o caso se tratou de homicídio doloso, com a intenção de matar, duplamente qualificado, por motivo torpe e recurso que impossibilitou a defesa da vítima.

Elisângela Aparecida Oliveira

Elisângela Aparecida Oliveira

O crime aconteceu no dia 27 de setembro de 2003, no Bairro Saraiva, ou seja, 13 anos atrás. Na época, a jovem era estudante de psicologia e Daniel estudante de veterinária. Os dois tinham três anos de relacionamento, mas segundo testemunhas e familiares, era um namoro conturbado.

Segundo o promotor Sílvio Fausto, a promotoria achou a pena muito branda e vai recorrer para que seja aumentada para de 15 a 16 anos de reclusão. Para a mãe da vítima, Terezinha Lázara Oliveira, a justiça não foi feita como ela queria, pois ela perdeu uma filha e o criminoso estará em liberdade breve. “Ele tirou o sonho dela e acabou com toda a nossa família”, disse.

Daniel foi condenado a 13 anos em regime fechado

Daniel foi condenado a 13 anos em regime fechado

O advogado de defesa, Roberto Pioli, que manteve a teoria de disparo acidental, já recorreu da sentença. Sete jurados, quatro mulheres e três homens, participaram do júri popular.

De acordo com a polícia, na época do crime, na casa de Daniel foram apreendidas uma carabina, duas pistolas, uma espingarda, três facas de caça e dois revólveres, inclusive o de calibre .38 do qual saiu o tiro que matou Elisângela.

A posição do revólver foi a qualificadora para desqualificar a hipótese de tiro acidental.

Com informações de Léo Soares e Léo Carvalho

LEIA TAMBÉM!