Ex-presidente do Peru se entrega à polícia por caso Odebrecht

Redação V9

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Redação V9

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Legenda da foto

O ex-presidente do Peru Ollanta Humala e sua mulher, Nadine Heredia, se entregaram na noite desta quinta-feira (13) às autoridades do país, para cumprir prisão preventiva por lavagem de dinheiro relacionada a doações irregulares de campanha da construtora brasileira Odebrecht.
De acordo com a decisão do juiz Richard Concepción Carhuancho, o casal terá que cumprir 18 meses de prisão preventiva, enquanto procuradores preparam acusações formais de lavagem de dinheiro contra os dois.
Após ouvir a decisão do magistrado, Humal e sua esposa deixaram a residência da família no distrito de Surco e acompanhados por seus militantes e pela polícia se entregaram.
Carhuancho, que analisa as denúncias de pagamento de propinas e contribuições irregulares no Peru pela Odebrecht, atendeu ao requerimento do promotor Germán Juárez, que argumentou que o casal deveria ser preso antes do jugamento para evitar que eles fugissem ou interferissem na investigação.
Segundo a denúncia da Procuradoria, a Odebrecht teria repassado US$3 milhões em 2011 para a campanha de Humala. Além disso, Juárez disse que os dois teriam recebido dinheiro irregular do ex-presidente venezuelano Hugo Chávez. No entanto, o peruano nega as acusações. Em sua conta no Twitter, o ex-presidente qualificou a decisão do juiz como “abuso de poder”. “Esta é a confirmação do abuso de poder, que nós vamos enfrentar para defender nossos direitos e os direitos de todos”, escreveu ele antes de se entregar.
Nadine, líder do Partido Nacionalista de Humala, também recorreu ao Twitter para criticar a decisão. “Obrigado às pessoas que não sentenciam antes do tempo e acreditam na inocência até que se prove o contrário.” Em fevereiro, o mesmo juiz ordenou a prisão preventiva do ex-presidente Alejandro Toledo pelos supostos subornos da Odebrecht.

Agência Ansa Brasil

LEIA TAMBÉM!