Investigações apontam que Vaccarezza recebeu US$ 430 mil em propinas

Redação V9

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Redação V9

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Legenda da foto

O ex-deputado federal Cândido Vaccarezza recebeu cerca de US$ 430 mil em propina para cada contrato celebrado entre a Petrobras e a Sargeant Marine, entre 2010 e 2013, segundo a investigação da Polícia Federal (PF) e do Ministério Público Federal (MPF). Ele foi preso hoje (18) de manhã, em São Paulo, suspeito de favorecer a empresa americana em contratos com a petrolífera.

A prisão de Vaccarezza ocorreu a partir da deflagração da 44ª fase da Operação Lava Jato, denominada Operação Abate. Segundo a PF, os agentes encontraram a quantia de R$ 122 mil em espécie na casa do ex-deputado durante as ações.

“Já sabemos que ele não conseguiu justificar [a origem do valor]. No monitoramento da pessoa, identificou-se que ele está pagando despesas do partido, provavelmente com esse dinheiro”, disse o delegado da PF Filipe Hille Pace.

Segundo a investigação, o ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa e o Partido dos Trabalhadores (PT) foram os outros beneficiários das propinas pagas nesse esquema. A PF disse que a ação criminosa resultou na celebração de doze contratos entre a Petrobras e a Sargeant Marine de cerca de US$ 180 milhões em favor da empresa dos Estados Unidos.

Segundo a PF e o MPF, as informações obtidas na delação premiada de Paulo Roberto Costa foram o ponto de partida para as investigações que culminaram na deflagração da 43ª e da 44ª fases da Lava Jato.

Empresas gregas

A 43ª fase da Lava Jato, denominada de Operação Sem Fronteiras, investiga o repasse de informações privilegiadas de Paulo Roberto Costa ao cônsul honorário da Grécia no Brasil, Konstantinos Kotronakis. O objetivo da relação entre os dois investigados era facilitar a contratação de armadores gregos pela Petrobras para o afretamento de navios, em troca de pagamento de vantagens indevidas aos envolvidos.

Segundo o MPF, as empresas gregas beneficiadas pelo esquema celebraram contratos com a petrolífera entre 2009 e 2013 em valores que ultrapassam os US$ 500 milhões. O valor da propina era calculado em cerca de 2% dos contratos. “É claro que a responsabilidade de cada uma dessas empresas precisa ser apurada individualmente, mas a gente já tem essa prova de que o Konstantinos conseguiu beneficiar essas empresas”, disse o procurador federal Paulo Roberto Galvão de Carvalho, membro da força-tarefa da Lava Jato.

A investigação aponta, ainda, dois momentos distintos no funcionamento do esquema. A ação criminosa acontecia, em um primeiro instante, por intermédio do operador Henry Hoyer de Carvalho, alvo da 13ª fase da Lava Jato. Com o tempo, segundo a PF, o esquema se sofisticou e passou a envolver uma empresa pertencente a Georgios Kotronakis, filho de Konstantinos, além da participação de Humberto Mesquita, genro de Paulo Roberto Costa.

Prisões

Além do ex-deputado Cândido Vaccarezza, a PF prendeu hoje o ex-gerente da Petrobras Márcio Albuquerque Aché Cordeiro e o operador financeiro Henry Hoyer de Carvalho. Outro ex-gerente da petrolífera Dalmo Monteiro Silva e Luiz Eduardo Loureiro Andrade, da empresa Sargeant Marine, também são alvos das operações de hoje, mas ainda não foram presos por estarem fora do país.

Um terceiro ex-gerente da Petrobras, Carlos Roberto Martins Barbosa, também teve prisão temporária decretada pela Justiça Federal. No entanto, o mandado não será cumprido porque está hospitalizado.

Os três presos estão sendo transportados para Curitiba. Segundo a PF, Vaccarezza deve chegar à capital paranaense por volta das 15h. Os outros dois presos chegarão após as 22h.

Agência Brasil

LEIA TAMBÉM!