Motoristas do Uber não conseguem regulamentação em Uberlândia

Isabela Lamark

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Isabela Lamark

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Legenda da foto

Os motoristas do Uber de Uberlândia se reuniram na Câmara Municipal na manhã de segunda-feira, 21, para discutir a regulamentação do sistema no município.  A vereadora Michele Bretas convocou a reunião e relatou que o grande problema no momento é um projeto que tramita no congresso sobre a regulamentação para esse tipo de serviço de transporte.

As decisões tomadas em âmbito municipal podem ser invalidadas pela lei federal. O projeto de Lei (PL) 5587/2016, que está em tramitação determina que aplicativos semelhantes ao Uber devem ser classificados como transporte individual privado remunerado.

Para que o serviço seja permitido haverá a necessidade de autorização pelo poder público para a prestação de serviço; limitação do número de veículos autorizados; obrigatoriedade do uso de veículo de aluguel (com placa vermelha e identificação externa) e exigência de que o motorista prestador de serviço passe por curso específico de formação, entre outros pontos.

O texto estabelece ainda requisitos mínimos para a atuação do titular da plataforma tecnológica responsável pela intermediação entre motorista e usuário. A medida cria a figura da Operadora de Transporte Credenciada (OTC), que pode ser pessoa física ou jurídica. A OTC fica qualificada como prestadora de serviço de transporte remunerado de passageiro.

O projeto poderá ser votado até o dia 30 de março de 2017. O intuito da audiência é tentar uma solução e apresentar um projeto em Brasília para que os motoristas do Uber possam discutir sobre o assunto e entrar em acordo com a Câmara de Deputados. Cerca de 10 motoristas, que prestaram serviço via Uber estiveram no plenário legislativo do município.

Os motoristas estão abertos a conversas. De acordo com  Flávio Coelho a grande dúvida é saber o que será regulamentado. ” A Carteira Nacional de Habilitação nos dá o direito de exercer a atividade remunerada, o que nós queremos é continuar a trabalhar para sustentar nossas famílias”, afirma.

Com informações da Agência Brasil e do repórter Vinicius Lemos

LEIA TAMBÉM!