Pesquisa consolida vantagem de Lula e Bolsonaro

Redação V9

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Redação V9

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Legenda da foto

Pesquisa divulgada pelo Datafolha neste fim de semana mostra que Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Jair Bolsonaro (PSC) continuam isolados na primeira e na segunda posições, respectivamente, para as eleições presidenciais de 2018.

No cenário mais provável, que inclui Marina Silva (Rede), que já anunciou sua pré-candidatura, e Geraldo Alckmin, que deve assumir o comando do PSDB no próximo sábado (9), Lula aparece com 34% das intenções de voto.

Já o deputado federal do PSC tem 17%, com uma vantagem de oito pontos sobre a ex-senadora e ex-ministra do Meio Ambiente, que tem 9%. O governador de São Paulo surge na quarta posição, com 6%, empatado com Ciro Gomes (PDT).

A pesquisa ainda inclui Joaquim Barbosa (sem partido), com 5%; o senador Alvaro Dias (Podemos), com 4%; a deputada estadual Manuela D’Ávila (PCdoB), com 1%; o presidente Michel Temer (PMDB), com 1%; e o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles (PSD), também com 1%.

No cenário sem Joaquim Barbosa, Temer e Meirelles, Lula sobe para 36%; Bolsonaro, para 18%; Marina, para 10%; e Alckmin e Ciro, para 7%. Sem o ex-presidente petista, o deputado do PSC lidera todas as hipóteses, com 21% a 22% das intenções de voto.

Quem mais se aproximada de Bolsonaro é a pré-candidata da Rede, que chega a 16% no cenário com Ciro (12%) e Alckmin (9%) e a 17% na hipótese com o ex-governador do Ceará (13%) e o prefeito de São Paulo, João Doria, do PSDB (6%).

Nos dois cenários, o postulante do PT é o antecessor de Doria na capital paulista, Fernando Haddad, que aparece, respectivamente, com 5% e 3% das intenções de voto.

No segundo turno, Lula venceria Bolsonaro (51% a 33%), Marina (48% a 35%) e Alckmin (52% a 30%). A ex-senadora bateria o deputado do PSC por 46% a 32%. Vale lembrar que o ex-presidente só poderá se candidatar caso não seja condenado em segunda instância antes das eleições.

Agência Ansa Brasil

LEIA TAMBÉM!