ASSINE O NOSSO BOLETIM DE NOTÍCIAS

RECEBA AS NOTÍCIAS MAIS IMPORTANTES DIRETO NO SEU E-MAIL
iconeenvelope.png

PMU condiciona avanço na pauta de negociações ao fim da greve

Isabela Lamark

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Legenda da foto

Reunião realizada  na Prefeitura entre diretoria do Sindicato dos Servidores, comando da greve e secretários, intermediada pelos vereadores Rubério Santos, Ronaldo Amâncio e Ismar Marão reabriu o diálogo com a categoria rompido pelo advento da greve. Pela PMU participaram o secretário de Administração, Rodrigo Vieira, Paulo Salge – Proger, Denis Silva – Secom, Fernando Hueb – Chefia de Gabinete, Jorge Macedo – Orçamento e Sandra Barra diretora de RH da SAD. Ficou definido que a categoria levará as seguintes propostas para assembleia a ser marcada:

Avanço na pauta de negociação em itens que não tenham impacto financeiro e legal; Retomada da jornada especial para servidores do Horto Municipal, suspensa por economia; Publicação da progressão da carreira, que já vem sendo paga desde setembro do ano passado mais ainda não publicada; Regulamentação da promoção por titularidade acadêmica; Garantia do não corte do ponto dos grevistas desde que haja reposição das faltas; Formação de uma comissão de servidores para acompanhar abertamente a evolução dos repasses recebidos pela PMU até a nova rodada de negociação salarial em 18 julho.

Na reunião de mais de 2 horas foram feitos e esclarecidos vários questionamentos, entre eles:

Foi esclarecido que não existe 14º salário para secretários municipais. Que o reajuste dos secretários é definido pela Câmara na Legislação anterior, o que não acontecia desde 2008.

Foi esclarecido ainda que com o Plano de Carreira algumas funções de servidores efetivos tiveram reajustes que variam entre 62% e 100%, o que causou impacto na folha de R$ 3.2 milhões mês.

Que para equiparar as finanças o município já mantém comissão de análise e cortes efetivos de gastos, que já culminou com ações positivas como a desoneração da folha de pagamento. Foi esclarecido ainda que a economia com a substituição de servidores contratados por concursados vai ajudar em médio prazo a reequilibrar esse impacto.

Foi esclarecido e reafirmado o compromisso do prefeito e manter apenas 50% dos gastos com comissionados.

Também foi esclarecido que o reajuste do ano passado foi somente o que a Lei permitia em se tratando de ano eleitoral.

Segundo o secretário de Administração Rodrigo Vieira, a ordem do prefeito Paulo Piau é tratar a questão com responsabilidade, já que a garantia dos salários e benefícios como tíquete alimentação e plano de saúde, é prioridade nesse momento de crise. O secretário salientou ainda que toda negociação discutida está atrelada ao fim da greve. “Nunca fechamos o diálogo, mas entendo que quando se deflagra uma greve o diálogo se rompe unilateralmente. Hoje voltamos a negociar e acredito que dentro da nossa política de total transparência podemos enfim avançar”, comentou. Segundo levantamento da SAD, dos cerca de 8 mil servidores da prefeitura menos de 1% aderiram ao movimento.

Secom/PMU

LEIA TAMBÉM!