Reforma da Previdência será votada ainda no primeiro semestre, diz Marun

Redação V9

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Redação V9

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Legenda da foto

O governo e a base aliada trabalham para aprovar a reforma da Previdência ainda neste primeiro semestre, disse hoje (8) o presidente indicado da comissão especial que discute a proposta na Câmara, deputado Carlos Marun (PMDB-MS). Ele reuniu-se hoje com o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, para discutir o cronograma da proposta.
Segundo Marun, a comissão deve aprovar o relatório no fim de março, para a proposta ir ao plenário da Câmara em seguida. O objetivo, disse, é aprovar o texto no Senado até o fim de junho.

Instalada ontem (7) à noite <https://agenciabrasil.ebc.com.br/politica/noticia/2017-02/camara-cria-comissoes-para-analisar-reformas-da-previdencia-e-trabalhista>, a comissão especial que discute a reforma da Previdência elegerá o seu presidente amanhã (9) à tarde. Os partidos já definiram que caberá a Marun presidir a comissão e que a relatoria ficará com o deputado Arthur Maia (PPS-BA).

Inicialmente, os parlamentares trabalhavam com a expectativa de aprovar a reforma da Previdência somente no segundo semestre. Marun diz que está trabalhando com cuidado e negou querer acelerar as discussões. “Alguém já ouviu falar que eu sou o [Emerson] Fittipaldi para acelerar? Cabe a mim a condução, não o mérito. Vamos fazer uma condução serena, mas num ritmo constante para que, sem atropelo, possamos ouvir os segmentos da sociedade e construir a nossa convicção”, declarou.

O deputado evitou dizer se o Congresso pode alterar a proposta do Executivo, que institui idade mínima de 65 anos para a aposentadoria e 49 anos de contribuição para receber 100% do benefício. “Pelo que tenho conversado com parlamentares, existe uma consciência em relação à necessidade da reforma. A proposta é boa, [mas] deve receber alguns aprimoramentos. Não cabe a mim dizer quais são. Isso vai depender das discussões, mas tenho certeza de que o texto é um bom ponto de partida”, concluiu.

Agência Brasil

LEIA TAMBÉM!