ASSINE O NOSSO BOLETIM DE NOTÍCIAS

RECEBA AS NOTÍCIAS MAIS IMPORTANTES DIRETO NO SEU E-MAIL
iconeenvelope.png

Relator da CPI do Ipremu pede prorrogação do prazo de entrega do relatório final

Augusto Ikeda

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Legenda da foto

 

Em coletiva de imprensa, realizada na manhã desta quinta-feira (6), o vereador Juliano Modesto pediu a dilação/prorrogação do prazo de entrega do relatório final da CPI do Ipremu, instaurada pela Câmara Municipal de Uberlândia no último mês de maio, em mais 30 dias. Ele venceria no próximo dia 9.

Modesto, que é o relator da CPI, afirmou que solicitou a prorrogação por conta de uma nova série de documentos, pedidos a Caixa Econômica Federal e o próprio Ipremu, que também precisam ser analisados.

“Nós solicitamos alguns documentos para analisarmos com relação a depoimentos que nós colhemos. Então, solicitamos ao Ipremu e também a Caixa Econômica alguns documentos tratando sobre a troca de investimentos pós-campanha eleitoral de 2016”, explicou o vereador.

Ainda de acordo com Modesto, a dilação também foi solicitada após algumas irregularidades encontradas nos documentos do processo. Uma delas seria a falta de uma carta conforto para que a Prefeitura e o Ipremu tivessem segurança ao realizar novos investimentos.

Segundo a própria CPI, a carta que foi apresentada seria muito displicente, e um dos fundos de investimento já chegou até mesmo a questionar esse documento.

“A carta está sem assinatura de nenhuma pessoa, apenas falando de gestão de recursos. E o principal, esse próprio fundo alegando que não existe essa carta conforto”, disse.

Também foram verificadas irregularidades nos depoimentos prestados na CPI, como o valor das taxas administrativas dos fundos, que chegariam a 6%. Mas que segundo o ex-superintendente do Ipremu, Marcos Botelho, ficaria em apenas 3%.

Entenda o caso

A CPI do Ipremu foi instaurada pela Câmara Municipal no último mês de maio, para investigar denúncias de atrasos no repasse da cota patronal e questionar os as aplicações feitas pela última administração do órgão.

Aconteceu um total de nove reuniões para investigar as irregularidades, nas quais nove testemunhas prestaram depoimento. Entre elas, o ex-prefeito Gilmar Machado.

Informações no local: Vinícius Lemos

LEIA TAMBÉM!