Tesouro Direto registra segundo mês consecutivo de mais resgates que vendas

Redação V9

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Redação V9

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Legenda da foto
Fonte: Marcello Casal/Agencia Brasil

O Tesouro Direto registrou, em setembro, o segundo mês seguido de regaste líquido, ou seja, mais recompras de títulos do que emissões. De acordo com o balanço divulgado hoje (20), em setembro, as vendas do Tesouro Direto atingiram R$ 1,358 bilhão, enquanto os resgates chegaram a R$ 1,845 bilhão. Como resultado, o resgate líquido ficou em R$ 486,6 milhões.

O acréscimo no número de investidores que efetivamente têm aplicações foi de 10.390. Com isso, o número de investidores ativos atingiu o recorde de 541.851. O acréscimo mensal de investidores cadastrados foi de 60.278, totalizando recorde de 1.662.449 participantes inscritos, o que representa aumento de 70,7% nos últimos 12 meses.

As aplicações de até R$ 1 mil representaram 56% dos investimentos realizados, com aumento de 27,4% em relação a setembro de 2016. O título mais demandado pelos investidores foi o indexado à taxa Selic (Tesouro Selic), cuja participação no volume total de investimentos atingiu 54,2%, no valor de R$ 735,9 milhões.

Em relação ao prazo, 18,3% dos investimentos foram feitos em títulos com vencimentos acima de 10 anos. As aplicações em títulos com prazo entre cinco e 10 anos representaram 78,3% do total e as com prazo entre um e cinco anos, 3,4%.

Estoque

O estoque do Tesouro Direto fechou o mês de setembro em R$ 47,6 bilhões, com redução de 0,1% em relação ao mês anterior (R$ 47,7 bilhões) e aumento de 30% sobre setembro de 2016 (R$ 36,6 bilhões).

Os títulos remunerados por índices de preços respondem pelo maior volume do estoque, alcançando R$ 29,2 bilhões (61,2% do total). Na sequência, aparecem os títulos indexados à taxa Selic, com participação de 22,2%, e os prefixados, com 16,6%.

A maior parte do saldo, 43,6%, é composta por títulos com vencimento entre um e cinco anos. Os títulos com prazo entre cinco e 10 anos correspondem a 34,6% do total, e os com vencimento acima de 10 anos, a 17,6%. A parcela com vencimento em até um ano (4,3%) é a menor desde dezembro de 2015.

LEIA TAMBÉM!