Vereadores em Patos de Minas são acusados de aprovar lei que beneficia taxistas em ano eleitoral

Redação V9

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Redação V9

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Legenda da foto
(Foto: Patos Hoje)

O Ministério Público Eleitoral, através da Promotora Vanessa Dosualdo Freitas, ingressou com uma ação na Justiça Eleitoral contra sete vereadores de Patos de Minas. O MP entende que os legisladores teriam contrariado recomendação para não aprovarem leis que beneficiem eleitores no ano eleitoral. No caso, a lei que gerou a discussão foi a que concede licença para os taxistas exercerem suas atividades durante 15 anos.

O texto original da lei previa a realização de licitação para a destinação da concessão do serviço público. Entretanto, os vereadores incluíram uma emenda prorrogando o contrato dos taxistas já existentes por mais 15 anos. Segundo o Ministério Público essa emenda não poderia ter sido aprovada em qualquer período, muito menos em ano eleitoral, que proíbe concessão de benefícios.

A ação inclui os vereadores Edimê Avelar, Itamar André, Tonhão da Copasa, Marquim das Bananas, Valdir Reis, Braz Paulo e David Balla. A emenda era assinada por 11 vereadores, mas na última hora alguns deles desistiram. A promotora Vanessa Dosualdo pede a cassação do mandato dos parlamentares que aprovaram a medida em ano eleitoral, inelegibilidade por 8 anos e multa.

De acordo com a ação, “os vereadores não votaram um projeto de lei para regularizar a prestação do serviço público de táxi em prol do interesse público. Concederam, na verdade, um emprego e uma garantia de renda por longos 15 anos a determinados indivíduos que os procuraram, no ano da eleição, e suplicaram por tal benesse.”

Os vereadores negaram que tiveram quaisquer vantagens com a emenda aprovada.

Por Patos Hoje

LEIA TAMBÉM!